Polegar não estava no Rio durante ocupação no Complexo Alemão

Polegar não estava no Rio durante ocupação no Complexo Alemão

Polegar ficou conhecido em 2001, quando liderou uma das ações mais ousadas do crime organizado

O traficante Alexander Mendes da Silva, mais conhecido como Polegar, afirmou em entrevista ao Fantástico que não estava no Brasil quando o complexo de favelas do Alemão, no Rio de Janeiro, foi ocupado em novembro de 2010. Polegar é apontado como chefe do tráfico no morro da Mangueira. Em 2009, o traficante teria estabelecido uma "base" no conjunto de favelas e seria dono de uma casa luxuosa no local, que foi destruída durante a ocupação.

Polegar foi preso na quarta-feira no Paraguai. À TV, ele afirma que trabalhava cmo um amigo no país vizinho ao Brasil e ganhava cerca de R$ 300 por semana. Segundo a reportagem, ele tinha uma casa de classe média-alta, com cerca elétrica e câmeras de monitoramento. No local, a polícia paraguaia afirma ter encontrado R$ 50 mil.

Ação ousada

Polegar ficou conhecido em 2001, quando liderou uma das ações mais ousadas do crime organizado carioca. Para arrebentar uma das paredes da Polinter e liberar 14 presos, ele usou um caminhão.

Em janeiro de 2002, o traficante foi capturado no Ceará, mas só ficou preso por nove meses. Depois de sair da prisão, Polegar atacou uma delegacia, o Palácio Guanabara e o shopping RioSul, em Botafogo. O objetivo dos ataques foi distrair a polícia para garantir o êxito em sua fuga e a de outros integrantes de seu bando.

Fonte: Terra, www.terra.com.br