Polícia aborta assalto ao Banco do Brasil e prende 4 no Piauí

Todos são oriundos de estados vizinhos como a Bahia e Pernambuco

A Polícia Militar de Fronteiras, conseguiu na manhã de ontem (02/3/09), desmontar uma quadrilha especializada em roubos a banco. Foram presos quatro pessoas, uma parte nas proximidades do banco e a outra foi presa no hotel onde já se encontravam hospedados. Entre eles um policial da Bahia, Gildásio de Sousa Santos, que já tem passagem pela polícia por roubo, uma mulher de apenas 22 anos, Edna Regina da Silva Gondim, Rômulo Nogueira Dantas (35) e Francisco Miguel Delfino (44), sendo este um dos cabeças da quadrilha.

Todos são oriundos de estados vizinhos como a Bahia e Pernambuco. Há dias o assalto era planejado. A participação da mulher era somente para não levantar suspeitas no deslocamento dentro da cidade e na hora da fuga, pelo motivo de um carro cheio de homens ser um alvo fácil, e o policial era para se identificar nas barreiras e com isso poder passar com maior facilidade.

A Polícia Militar está em diligências para localizar o restante da quadrilha, que nas informações colhidas, levam a mais três pessoas, sendo que um deles é padrasto de Edna Regina da Silva Gondim e o outro irmão.

De acordo com a polícia, membros do grupo já admitiram que o banco seria roubado nesta semana. ?Provavelmente seria na quarta-feira. Eles estavam na cidade fazendo os levantamentos para o assalto?, informa o capitão José Airton de Oliveira. Antes de agirem, é comum às quadrilhas estudarem a rotina da cidade e as melhores rotas de ação e fuga para o bando. Por isso a necessidade de se instalarem na região dias antes.

Em informações colhidas pela Polícia do modo em que eles planejaram cometer o assalto, foi informado que iriam se hospedar em hotéis da cidade, e que somente assaltaria o banco na quarta-feira dia 04/3/09. Primeiramente iriam sequestrar o gerente do banco, logo após iriam invadir o Quartel da Polícia Militar para desarmar os policiais que ali se encontrassem de serviço, para dificultar uma possível investida ou um confronto na saída do Banco. Os carros seriam abandonados e incendiados, para fazer pensar que todos tinham fugido em um carro de apoio. Eles estariam preparados para passar um ou dois dias no mato escondidos.

Fonte: Riachão net