Caso Bruno: Polícia adia buscas pelo corpo de Eliza e advogado critica defesa do goleiro

Caso Bruno: Polícia adia buscas pelo corpo de Eliza e advogado critica defesa do goleiro

O advogado José Arteiro ao saber da ironização do caso indignou-se

As novas buscas pelo corpo da modelo Eliza Samúdio foram adiadas deste sábado para a próxima semana, segundo o advogado José Arteiro Cavalcante, que representa a mãe de Eliza. Na última quarta-feira, a mãe da modelo, Sônia Samúdio, recebeu uma carta denunciando o local onde foram deixados os restos mortais da filha, desaparecida desde junho de 2010.

A divulgação de que a polícia checaria as informações contidas na carta fazendo uma nova busca pelo corpo da modelo causou espanto nos advogados do goleiro Bruno, que classificaram o caso como sendo trabalho de ?pai de santo? e não de polícia.

O advogado José Arteiro ao saber da ironização do caso indignou-se. Segundo ele, a defesa de Bruno não participou do desenrolar do processo e não poderia agir dessa maneira.

? Ao invés de rir das buscas e ironizar o caso, ele deveria perguntar aos clientes dele onde está o corpo da Eliza. Eles sabem onde deixaram o corpo, ele deveria ajudar na luta dessa mãe e não brincar com o caso.

Para o advogado Rui Pimenta, mesmo que o corpo seja encontrado não fará diferença para o processo do ex-goleiro do Flamengo:

? Quando assumimos o caso, já admitimos que ela está morta. Sabemos que ela morreu há muito tempo. Não é novidade esse fato. Sabemos também que o Bruno é inocente. Que a morte foi cometida pelo Bola e pelo Macarrão. Com corpo ou sem corpo, o Bruno logo estará livre ? declarou Pimenta, afirmando que o pedido de habeas corpus de Bruno deve ser julgado em cerca de dez dias.

De acordo com a informação repassada à polícia, o corpo de Eliza teria sido jogado em um poço localizado no terreno de um convento, em Belo Horizonte, onde existiria uma passagem clandestina. A pessoa que escreceu a mensagem disse ter sonhado com o local. O advogado de Sônia repassou a carta aos agentes do Departamento de Investigações (DI) de Minas Gerais.

Fonte: Extra