Piauí: Multas aplicadas em apreensões de animais somam R$ 100 mil

Semar e Polícia Ambiental estão realizando apreensões no Estado.

A Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Piauí, em parceria com o Batalhão da Polícia Ambiental (BPA), darão continuidade à operação Silêncio, em Teresina e no interior do estado, com a apreensão de pássaros e animais silvestres que estão em cativeiros. 

"Já estamos com equipes prontas para realizar a operação conjunta, mas não iremos divulgar datas e horários. A fiscalização chegará de surpresa, tanto nos bairros da capital, como também em cidades do interior do estado", enfatiza o secretário do Meio Ambiente, Ziza Carvalho.

Animais apreendios pela Polícia Ambiental
Animais apreendios pela Polícia Ambiental

De acordo com o gerente de Fiscalização da Semar, Renato Nogueira, os fiscais ambientais do órgão, em conjunto com policiais do Batalhão da Polícia Ambiental, atuam no sentido de coibir o tráfico de animais silvestres no estado,  em pontos que já haviam sido levantados pela inteligência da Polícia Militar.

Nessa primeira etapa, foram fiscalizados os bairros Real Copagre, zona Norte, e residenciais Deus Quer e Dirceu Arcoverde, na região Sudeste da capital. Apreendemos 200 pássaros engaiolados das espécies xexéu, sabiá, abre-e-fecha, galo de campina, pipira, casaca, canários da terra, além de 14 marrecos e dois jabutis”, afirmou Renato Nogueira.

Os pássaros foram soltos no Parque Zoobotânico de Teresina, zona Leste de Teresina, e no Parque Municipal da Embrapa, localizado no bairro Mocambinho. Todas as gaiolas foram destruídas, assim como os alimentos destinados aos pássaros.

As multas aplicadas aos infratores somam R$ 100 mil, valor que pode ser alterado, salvo alguma espécie apreendida esteja em extinção, o que será verificado pelos fiscais ambientais da Semar. Cada animal rendeu multa de R$ 500. Se a espécie for ameaçada de extinção, o valor é de R$ 5 mil por espécime.

“Os autos de infração foram lavrados e serão encaminhados ao Ministério Público para que as medidas sejam tomadas na esfera judicial. No âmbito administrativo, cabe à Semar conduzir o processo e firmar o valor final dos sansões. Se os autuados não pagarem a multa, eles podem ser enquadrados na dívida ativa do Estado”, explica o gerente de Fiscalização da Semar, acrescentando que a Secretaria vai continuar realizando operações dessa natureza para coibir o tráfico de animais silvestres no Piauí.
 

Fonte: Ascom