Polícia Civil do Rio vai investigar demora no laudo do exame de urina de Eliza Samudio

Polícia Civil do Rio vai investigar demora no laudo do exame de urina de Eliza Samudio

A sindicância para apurar a demora no resultado do exame deve ser instaurada na próxima semana

O chefe de Polícia Civil do Rio, delegado Allan Turnowski, determinou que seja investigada a demora no laudo do exame de urina feito por Eliza Samudio em outubro do ano passado. O resultado preliminar foi divulgado em junho, oito meses após Eliza ter registrado queixa contra o goleiro Bruno do Flamengo, seu ex-namorado, por sequestro, agressão e por tê-la forçado a tomar um remédio abortivo. Na época, Eliza estava grávida de cinco meses. O filho, segundo ela, seria de Bruno.

A sindicância para apurar a demora no resultado do exame deve ser instaurada na próxima semana, segundo informou a assessoria da Polícia Civil neste sábado (3).

Substância abortiva

Na quinta-feira (1º), o laudo preliminar divulgado pela Polícia Civil do Rio confirmou que foram encontradas substâncias abortivas na urina de Eliza Samudio.

Mas, segundo o Departamento Geral de Polícia Técnico Cientifica da Polícia Civil, as substâncias encontradas também poderiam ser resultado de uma mistura simultânea de álcool e fumo. Por isso, o órgão encaminhou o material para o laboratório da UFRJ, a fim de confirmar 100% a análise e excluir qualquer outra possibilidade. O resultado final deve ficar pronto na próxima segunda-feira (5).



Veja a íntegra da nota da Polícia Civil do Rio:

"O Departamento Geral de Policia Técnico Cientifica da Policia Civil do Rio de Janeiro (DGPTC) informa que foi encontrado um grupamento de substâncias consideradas abortivas na urina de Eliza Samudio. Os peritos que analisaram o material colhido decidiram, dada a complexidade do caso, mandar o material para o laboratório da UFRJ, com o qual a Polícia Civil mantém convênio a fim de confirmar 100% a análise feita pelos mesmos, excluindo qualquer possibilidade de tal grupamento pertencer a outros compostos. Segundo os peritos, a tal mistura também pode ser encontrada inclusive no consumo simultâneo de bebidas alcoólicas com fumo. Segundo o DGPTC, o resultado final ficará pronto na próxima segunda-feira, dia 5 de julho".

"Estou chateado", diz Bruno sobre o caso

Também na quinta (1º), Bruno falou pela primeira vez desde o desaparecimento da ex-namorada. Segundo ele, ela deixou o filho com um amigo seu, conhecido como Macarrão, para resolver questões pessoais.

O último contato entre a jovem e amigos foi feito no início do mês. Eliza teve um relacionamento com o goleiro no ano passado. Ela tentava provar que teve um filho do jogador.

?Por enquanto é uma situação delicada. Estou chateado. Estou torcendo pra que ela possa aparecer. Está sendo constrangedor, não só pra mim, quanto para minha família. Chateado eu estou, pelo fato de ela ter desaparecido, mas quero que ela apareça logo, para que a gente possa conversar, voltar a ser feliz outra vez, porque tá difícil.?

Ele se referiu ao amigo como funcionário na entrevista. ?Quem trouxe a criança para mim foi o Macarrão, que é um funcionário, que acabou me entregando a criança, falando que ela tinha deixado a criança com ele porque tinha que resolver uns problemas pessoais. Ele é meu funcionário, pode responder melhor que eu?, disse.

?Estive com ela [Eliza] há uns dois, três meses atrás, quando fui conhecer a criança. Quando a criança chegou até a mim eu estava no sítio. O meu funcionário que trouxe para mim?, contou.

Jogador afastado

O jogador foi afastado do time por causa da investigação, por isso não viajou com os outros jogadores para São Paulo, mas continua treinando no clube. Zico, diretor executivo do Flamengo, acompanhou o treino do goleiro nesta manhã.

Bruno disse que está triste com a situação. ?Deixei nas mãos de Deus, Deus sabe o que faz. Estou torcendo para que ela possa aparecer, para acabar logo essa situação, que está sendo chato. Estou triste com isso. Vi a entrevista do pai dela, estou torcendo pra que ela apareça?.

Entenda o caso

De acordo com a polícia, o sumiço de Eliza Samúdio começou a ser investigado depois de denúncias de que ela havia sido agredida no sítio que pertence ao jogador.

Dayane Fernandes, mulher do goleiro Bruno, teria dito, em depoimento à polícia, que Eliza teria abandonado o bebê. A criança foi encontrada pela polícia na madrugada do dia 26 de junho, com uma senhora desconhecida. No dia 27 de junho, a criança foi entregue a Luis Carlos Samúdio, pai de Eliza.

Dayane chegou a ser levada à delegacia, mas liberada em seguida. Segundo a delegada, a mulher do atleta foi autuada por subtração de incapaz.

Fonte: g1, www.g1.com.br