Polícia de São Paulo vai pedir que Elize Matsunaga fique presa até o julgamento

Polícia de São Paulo vai pedir que Elize Matsunaga fique presa até o julgamento

Advogado de defesa tentou explicar o que levou Elize a matar o marido

A polícia de São Paulo vai pedir que Elize Matsunaga, viúva do diretor-executivo da empresa de alimentos Yoki, fique presa até o julgamento, de acordo com reportagem do Jornal da Globo desta sexta-feira (8). Inclusive, o delegado que cuida do caso deu a investigação como encerrada. O advogado de defesa, Luciano de Freitas Santoro, por sua vez, tentou explicar o que levou Elize a matar o marido.

Segundo o advogado, os detalhes da confissão de Elize estão relatados no inquérito. No dia 19 de maio, um sábado, Marcos tinha ido buscar a mulher, a filha e a babá dela no aeroporto. ?Elize tinha ido para o Paraná em companhia da babá e de sua filha. Eles retornaram do aeroporto para casa. A babá foi embora, a criança foi dormir e eles pediram uma pizza. Quando a pizza chegou, a Elize contou para o Marcos que sabia que ele estava traindo?, relatou o advogado.

De acordo com Santoro, Marcos teria ficado transtornado. ?Eles levantaram da mesa. O Marcos desferiu um tapa na cara da Elize. Ele falou: ?Eu conheço teu passado, eu vou levar teu passado para Vara da Família.? Era o caso de ela ter sido garota de programa. Ele usou outras palavras e aquilo foi difícil no momento. Nesse momento, foi desferido o tiro e ceifou a vida do Marcos?.

Depois de atirar, segundo a defesa, Elize pensou em ligar para a polícia, mas desistiu. Ela escondeu o corpo por mais de dez horas num quarto, até tomar a decisão: cometer outro crime. ?Ter seccionado o corpo foi porque pura simplesmente ela não conseguiria carregar o corpo. Não era previamente pensando em nada de esquartejar o marido. É porque ela não conseguiria tirar o corpo do apartamento. Foi nesse sentido a ocultação?, disse o advogado.

Segundo a polícia, Elize viajou com o corpo do marido por mais de 200 quilômetros. Ia para o Paraná, mas desistiu e voltou. Em Capão Bonito, no interior do estado, recebeu uma multa por falta de licenciamento. Um policial parou o carro, mas não percebeu que o corpo estava no porta-malas.

Segundo a polícia, as malas utilizadas para transportar as partes do corpo da vítima foram deixadas em uma caçamba na Zona Oeste de São Paulo. Na quarta-feira (6), Elize confessou à polícia ter matado e esquartejado o executivo dentro do apartamento da família, na Vila Leopoldina, na Zona Oeste de São Paulo, na noite de 19 de maio.

A Secretaria da Segurança Pública informou na sexta-feira que a Polícia Civil não vê necessidade de ouvir mais pessoas sobre a morte do empresário. O diretor do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Jorge Carrasco, disse que o caso está encerrado. A conclusão, após a confissão e as provas obtidas pela polícia, em especial durante a reconstituição do crime, é que Elize Matsunaga matou e esquartejou o marido sozinha. No total, foram ouvidas sete pessoas na investigação, segundo a secretaria.

"Nós entendemos que o inquérito está encerrado. O doutor Mauro Dias vai relatar o inquérito e vai pedir a prisão preventiva", disse o delegado Jorge Carrasco, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Elize está isolada em uma cela da cadeia de Itapevi, na Grande São Paulo. Ela cumpre prisão temporária até dia 28 de junho, mas a polícia quer que ela fique presa até o julgamento. "Acho absolutamente desnecessário. Se ela quisesse ter fugido , ela teria fugido nestes 15 dias. Ela colaborou com as investigações. A regra é o réu responder em liberdade", disse o advogado de Elize, Luciano de Freitas Santoro.

Fonte: G1