Polícia de SP procura suspeito de matar mulher fisioculturista no RN

Polícia de SP procura suspeito de matar mulher fisioculturista no RN

Justiça de Natal decretou prisão de homem que teria asfixiado sua mulher

A Polícia Civil em Osasco, na Grande São Paulo, procura o empresário Alexandre Furtado Paes, de 37 anos, suspeito de assassinar sua esposa, a fisioculturista Fabiana Caggiano Paes, 36, durante as férias do casal em Natal, entre o final de 2012 e o início deste ano. A Justiça do Rio Grande do Norte decretou a prisão temporária do marido na semana passada. O motivo seria o fato de ele estar atrapalhando as investigações da polícia capixaba, que apura o crime.

O mandado de 30 dias de prisão foi expedido para ser cumprido em São Paulo. O homem nega o crime, alegando que a mulher teve um mal súbito durante o banho. Mas exames periciais indicaram que a vítima foi asfixiada. Como o viúvo não foi localizado e ainda não se entregou, passou a ser considerado foragido.

De acordo com a Policia Civil do Rio Grande do Norte, Fabiana foi estrangulada por Alexandre em 28 de dezembro do ano passado dentro do quarto do hotel, onde eles estavam hospedados com familiares. A vítima chegou a ser internada num hospital da capital potiguar, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no dia 2 de janeiro deste ano. Laudo do Instituto Técnico-Científico de Polícia (Itep) de Natal concluiu que a fisiculturista tinha marcas no pescoço. O corpo dela foi enterrado em 5 de janeiro em Jandira, na Grande SP.

O delegado Frank Albuquerque, do RN, acusou o empresário formalmente pelo crime. Ele foi indiciado por homicídio qualificado porque teria impossibilitado a defesa da mulher.

?Alexandre pode ter matado Fabiana por vários motivos. A hipótese mais provável é que teriam brigado no quarto do hotel, em Natal, por ciúmes e ele a estrangulou. Encontramos mensagens enviadas por outra mulher para o celular do marido. Era uma aluna da academia de musculação do empresário, em Osasco. A fisioculturista talvez tenha visto esses textos e discutido com ele por isso. Durante o bate-boca, pode ter havido uma briga e ele a asfixiou?, afirmou o delegado que investiga o caso, nesta quarta-feira (6).

Em entrevista à equipe de reportagem em 3 de janeiro, o marido negou o homicídio. Ele havia dito que Fabiana tinha passado mal após cair no banheiro. ?Tudo não passa de um erro?, disse Alexandre, questionando a asfixia como causa da morte da fisioculturista.

Nesta quarta, o empresário e seu advogado não foram localizados para comentar o assunto. Alexandre também não estava na academia em Osasco, onde seria dono, e nem na sua residência. Também não atendeu aos recados deixados no seu celular.

Segundo policiais de Osasco ouvidos nesta manhã, o mandado de prisão para Alexandre chegou segunda-feira (4) ao 1º Distrito Policial da cidade. Desde então, buscas foram feitas na região à procura do suspeito, que não foi encontrado.

A taxista Itália Caggiano, mãe de Fabiana, afirmou que ficou surpresa ao saber que seu genro foi apontado pela polícia de Natal como o único e principal suspeito pela morte de sua filha. ?Nunca desconfiei porque eles não brigavam e ele era muito amável com ela. O motivo para ele tê-la matado só a polícia é que poderá dizer. O que quero agora é Justiça. Dez dias atrás ele estava na academia, agora fugiu para não ser preso. Peço para telefonarem para a polícia e denunciarem onde esse sujeito está. Ele tem de pagar pelo que fez?, disse a mulher.

Além de Alexandre e Fabiana, Itália, sua outra filha e mais dois sobrinhos haviam viajado a Natal.

Fonte: G1