Polícia fará hoje acareação entre suspeitos

Polícia fará hoje acareação entre suspeitos

Advogado de Bruno e mais cinco disse que seus clientes devem ficar calados

A Polícia Civil de Minas Gerais informou que a acareação entre um adolescente detido na casa do goleiro Bruno de Souza e presos suspeitos de envolvimento no desparecimento de Eliza Samudio será feita no Departamento de Investigações (DI), em Belo Horizonte, nesta terça-feira (27). O delegado Edson Moreira ainda não sabe dizer se um ou mais suspeitos vão participar da acareação.

A advogada da Ordem dos Advogados do Brasil que acompanha o caso, Cíntia Ribeiro de Freitas, disse que, possivelmente, a acareação deve começar às 15h. A informação não foi confirmada pela polícia.

Segundo a polícia, o menor é uma peça-chave na investigação porque, nos primeiros depoimentos, indicou os possíveis lugares onde Eliza teria sido agredida e morta. Além disso, ele teria apontado o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos como suposto executor.

Participantes

O advogado Ércio Quaresma, que defende seis suspeitos de envolvimento no desaparecimento de Eliza Samudio, disse que, caso algum de seus clientes seja relacionado a participar da acareação com o adolescente, a orientação é que fiquem calados. Quaresma defende seis suspeitos presos. São eles: o goleiro Bruno de Souza, o amigo dele Luiz Henrique Ferreira Romão (conhecido como Macarrão); a mulher do atleta, Dayanne Souza; Flávio Caetano de Araújo, Wemerson Marques e Elenilson Vitor da Silva.

Segundo o advogado, os suspeitos devem participar da acareação, mas não são obrigados a falar.

O advogado Eliézer Jônatas de Almeida Lima, que defende o adolescente, disse na segunda-feira (26), que pretendia entrar com pedido de habeas corpus preventivo para que o seu cliente não participe da acareação.

A defesa do ex-policial Santos não foi encontrada para falar sobre o assunto.

O advogado Marco Antônio Siqueira, que representa o primo de Bruno, Sérgio Rosa Sales, disse que seu cliente deve falar durante a acareação. Diferentemente dos outros presos, Sales já prestou outros depoimentos.

No primeiro relato à polícia mineira, ele afirmou que viu Eliza machucada no sítio de Bruno, em Esmeraldas (MG), e chegou a dizer que o goleiro acompanhou o grupo que levou a jovem até o lugar onde teria sido cometido o assassinato. Depois, mudou a versão.

Na semana passada, em audiência no Juizado da Infância e da Juventude de Contagem (MG), Sales foi o único, entre os suspeitos, que respondeu as questões colocadas. Todos os outros permaneceram quietos. "O Sérgio disse que o menor participou do sequestro de Eliza, que esteve no sítio quando ela esteve lá, acompanhada de Macarrão. Sérgio não falou sobre ocultação de cadáver e sobre homicídio", disse o promotor Leonardo Barreto Moreira Alves.

Sales está preso no Centro de Remanejamento de Segurança Prisional (Ceresp) São Cristóvão, em Belo Horizonte, e foi levado ao DI na manhã desta terça-feira, para participar da acareação.

Fonte: g1, www.g1.com.br