Polícia prende quadrilha com 10 quilos de cocaína e R$ 72 mil em periferia de Fortaleza

Depois que os quatro entraram no veículo Celta, foram abordados pelos agentes da DRE

Uma operação, realizada namanhã de ontem, no bairro Henrique Jorge, (periferia da Capital) pelos agentes da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) da Polícia Federal, resultou na prisão de quatro pessoas, entre elas, três mulheres, além da apreensão de aproximadamente 10 quilos de cocaína, R$72mil e três veículos.

As amazonenses Agriciane Santos Cruz, 28; e Ana Cláudia da Chagas Lopes, 29, foram detidas na Praça do Henrique Jorge, logo após entregar o carregamento de cocaína para a cearense

Eleuza Ferreira de Melo, 43; e seu filho Pedro Wilson Pontes Carvalho; 21. Segundo a Polícia, a droga havia sido trazida de Manaus, pelas duas mulheres e seria revendida em vários bairros da Capital.

De acordo com o delegado Glayston Araújo, titular da DRE, a investigação que resultou na desarticulação da quadrilha de traficantes de drogas, teve início a aproximadamente 15 dias. Pedro e sua mãe Eleuza, que é mulher de um homem acusado de tráfico de drogas e recolhido ao Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira II (IPPOOII), passaram a ser monitorados pelos agentes federais.

Ontem pela manhã, por volta das 11 horas, mãe e filho saíram de casa e foram seguidos pelo

federais até a Praça do Henrique Jorge. Lá, eles encontraram com Agriciane e Ana Cláudia. Nas bolsas que as duas mulheres carregavam estava escondida toda a cocaína.

Depois que os quatro entraram no veículo Celta, foram abordados pelos agentes da DRE e receberam voz de prisão. Dentro do carro, os policiais encontraram, além da droga, cerca de R$ 4 mil. Na casa de Eleuza, também no Henrique Jorge, foram localizados mais R$ 68 mil, balanças de precisão e produtos químicos utilizados para ?misturar?coma droga.

Fiscalização

Segundo as investigações da PF, a quadrilha tentou mudar a forma de envio da cocaína. ?Para evitar serem flagradas com a droga,no desembarque no Aeroporto Pinto Martins, onde a nossa

fiscalização é mais intensa, os grupos estão fazendo parte do percurso de avião e o restante de ônibus?, explicou Glayston aos jornalistas.

No caso da amazonense Agriciane, ela seguiu de Manaus até João Pessoa, na Paraíba, de avião. De lá, continuou a viagem de ônibus até Fortaleza.

Fonte: Diário do Nordeste, www.diariodonordeste.com.br