Polícia indicia ex-namorado pela morte da advogada Mércia

Polícia indicia ex-namorado pela morte da advogada Mércia

Mizael Bispo de Souza foi apontado como assassino da advogada

A Polícia Civil de São Paulo indiciou nesta quarta-feira (14) o advogado e ex-policial militar Mizael Bispo de Souza, ex-namorado de Mércia Nakashima, pelo assassinato da advogada e ocultação de cadáver. A informação foi dada pelo delegado Antonio de Olim, do DHPP. O principal suspeito do crime já teve a prisão temporária decretada pela Justiça, mas continua foragido desde sábado (10). Em depoimentos anteriores, ele sempre negou o crime.

Para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Mizael, de 40 anos, matou a advogada de 28 anos por ciúmes. Ele foi indiciado por homicídio doloso triplamente qualificado - motivo fútil, meio cruel e emboscada -, além de ocultação de cadáver. Olim deverá relatar o inquérito entre quinta (15) e sexta-feira (16).

Na terça-feira (13), o Ministério Público em Guarulhos, na Grande São Paulo, solicitou à Justiça a conversão da decretação da prisão temporária por 30 dias em preventiva, que determina a detenção do suspeito até o julgamento, pelo fato de Mizael ter fugido. Como faltou energia elétrica no dia no Fórum da cidade, o pedido será analisado nesta quarta pelo juiz.

O que motivou a decretação da prisão foi o depoimento do vigia Evandro Bezerra Silva, já havia sido indiciado por participação na morte de Mércia. Ele declarou para a Polícia Civil que foi o ex-namorado de Mércia que a matou. Depois, contou ter auxiliado na fuga ao buscar Mizael de carro. O crime foi cometido em 23 de maio numa represa em Nazaré Paulista, no interior de São Paulo. O corpo da vítima foi encontrado em 11 de junho. Um dia antes, o carro da advogada também foi achado submerso.

Segundo o advogado de Mizael, Samir Haddad Júnior, seu cliente não irá se apresentar até que se esgotem os recursos contra o decreto da prisão temporária.

De acordo com a perícia, Mércia foi agredida e baleada, desmaiou e morreu afogada. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) com a causa da morte deve ser divulgado nesta semana, assim como o resultado dos exames feitos pelo Instituto de Criminalística (IC) a respeito do que foi encontrado no carro da advogada.

Fonte: g1, www.g1.com.br