Polícia investiga se advogada foi levada para cativeiro

Polícia investiga se advogada foi levada para cativeiro

Para delegado que cuida do caso, ela foi assassinada há menos de 15 dias

Policiais do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investigam a possibilidade de a advogada Mércia Nakashima ter sido levada para um cativeiro antes de ser morta. Eles ouviram neste sábado (12) pessoas que afirmam ter visto a vítima ao lado de seu ex-namorado Mizael Bispo dos Santos, principal suspeito pela morte de Mércia, perto de uma favela, na periferia de Guarulhos.

Segundo o delegado que cuida do caso, Antônio Olim, Mércia deve ter ficado uma semana escondida em algum lugar antes de ser morta. "Ela ficou em algum lugar com mais gente envolvida e ela foi morta em outro domingo. Foi jogada naquele local como foi visto por um pescador", disse Olim.

Na sexta-feira (11) investigadores apreenderam dois pares de sapato e uma camisa rasgada na casa de Mizael. A perícia vai analisar amostras de terra encontradas no tapete do carro dele e nos sapatos apreendidos. Essas amostras serão comparadas com outras recolhidas na represa onde o corpo de Mércia foi encontrado. A polícia espera descobrir se Misael esteve lá.

Mércia Nakashima, de 28 anos foi encontrada morta na sexta-feira dentro de uma represa em Nazaré Paulista. Ela estava desaparecida desde 23 de maio, mas a polícia acredita que não tenha sido assassinada uma semana depois. Pelo estado em que o corpo foi encontrado, os legistas suspeitam que a morte ocorreu no máximo há 15 dias.

O corpo de Mércia foi enterrado durante a manhã no Cemitério São João Batista, no centro de Guarulhos. O pai da advogada, que não conseguiu participar do velório, apareceu no último momento para se despedir da filha.

A represa onde o carro e o corpo da advogada foram encontrados é de difícil acesso. Por isso a polícia investiga a participação de mais de uma pessoa no assassinato. Segundo a família de Mércia, testemunhas viram ela sendo morta e chegaram a pedir ajuda.

O irmão de Mércia, Márcio Nakashima, afirma que houve falha do serviço 190. "Um pescador quando estava lá, ligou para o disque-denúncia, ligou para o 181 e a resposta que ele teve lá era que a polícia já estava cuidando do caso e ele deveria procurar o DHPP na segunda-feira de manhã, sendo que ele escutou a minha irmã gritando, ligou no 190 e ninguém pôde fazer nada." A PM informou que só durante as investigações vai ser possível saber se houve falha no serviço.

O ex-namorado de Mércia é apontado como principal suspeito. Mizael Bispo dos Santos foi soldado e cabo da Polícia Militar, mas se aposentou por invalidez depois de ser atingido por uma descarga elétrica. Afastado da PM, se formou em direito e se tornou sócio de Mércia num escritório de advocacia. Em entrevista ao programa Fantástico na semana passada, ele disse que estava sofrendo com o desaparecimento da ex-namorada.

"Eu estou sentindo o que a família está sentindo. Eu gostaria de ter desaparecido junto com ela porque não está sendo fácil para mim", disse Mizael.

Fonte: g1, www.g1.com.br