Polícia quer divulgar o retrato falado de um homem que foi esquartejado

A vítima ainda não foi identificada, o que dificulta as investigações da polícia.

A Polícia Civil de São Paulo investiga três mulheres suspeitas de terem participado do assassinato de um homem que teve o corpo esquartejado e deixado em lixeiras no bairro de Higienópolis, região central da capital, no último fim de semana. A vítima ainda não foi identificada, o que dificulta as investigações da polícia.

Sabe-se apenas que trata-se de um homem com idade entre 30 e 40 anos e cerca de 1,80m de altura. Os membros da vítima foram encontrados em ruas diferentes do bairro nobre de São Paulo na manhã do último domingo. E uma cabeça foi achada na praça da Sé na última quinta-feira, porém, o Instituto Médico Legal (IML) ainda investiga se essa cabeça, os membros e o tronco são do mesmo corpo.

O caso segue no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), sob o comando do delegado Itagiba Franco. Segundo ele, a maior dificuldade da polícia foi deparar-se com um corpo sem impressões digitais, já que o autor do crime arrancou parte dos dedos da vítima. ?Falta o principal, que é a impressão digital. Se tivesse isso já teríamos estabelecido a vítima e a autoria?, disse o delegado do DHPP.

A polícia estuda divulgar, ainda hoje, um retrato falado da vítima, para tentar chegar na autoria do crime. Para isso, o IML terá que fazer uma espécie de ?limpeza? no rosto encontrado na Sé, tirar uma foto e assim fazer um retrato falado aproximado.

?Estamos aguardando. Os investigadores estão na rua. Vamos ver se conseguimos divulgar hoje um retrato reconstituído da vítima. Isso pode ser que nos ajude. A partir da cabeça encontrada ontem foram tiradas fotos e vamos reconstituir esse rosto e aproximar o máximo possível da verdade para ver se dá pra ser aproveitado?, disse Franco. O delegado afirmou ainda que o corte da cabeça e do tronco são compatíveis, ou seja, se encaixam. Porém, não é possível dizer se cabeça e tronco fazem parte do mesmo corpo.

Dezenas de denúncias estão sendo recebidas diariamente

A polícia ainda busca pistas para encontrar o autor e vem recebendo dezenas de denúncias diariamente. ?Recebemos uma denúncia ontem, que estaria no bairro do Brás todo o desenrolar disso, inclusive com dois nomes e apelidos. Estamos atrás e vamos ver se dá certo?, disse Itagiba.

De acordo com exames do IML, o crânio encontrado não apresenta nenhuma perfuração por arma de fogo, porém, possui ?afundamento de arcada dentária? e falta de alguns dentes, o que pode indicar que a vítima tenha sido agredida ou até mesmo tenha caído.

Fonte: Terra