Polícia investiga velocidade de ônibus caído em barranco no RS

Polícia investiga velocidade de ônibus caído em barranco no RS

Tacógrafo foi recolhido do veículo acidentado e será analisado. Acidente deixou ao menos 4 mortos e dezenas de feridos em Passo Fundo.

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul investiga a velocidade do ônibus que caiu em um barranco com cerca de 25 metros de altura no início da manhã deste domingo (3) no km 3 da ERS-135, na altura do município de Passo Fundo, na Região Norte do Rio Grande do Sul. O tacógrafo do veículo foi recolhido. Com o equipamento, será possível identificar a velocidade do ônibus no momento do acidente.

"Estas confirmações só vão poder ser feitas após a verificação do tacógrafo e com o resultado da perícia que foi feita no local. O laudo deve ser divulgado em até 10 dias", disse ao G1 a delegada Carolina Goulart, responsável pelo caso.

Em relato às pessoas que ajudaram no resgate dos passageiros, o motorista do ônibus disse que o ônibus aquaplanou na pista. A delegada não descarta esta possibilidade, já que chovia muito na região na hora do acidente.

A polícia trabalha no momento com a identificação das vítimas e também dos sobreviventes. Será feita uma comparação para ver se os nomes batem com a lista dos passageiros divulgada pela empresa Turis Prata.

Dentro do ônibus estavam 38 passageiros, mais um guia de turismo e dois motoristas, conforme a empresa Turis Prata, responsável pela viagem. O veículo, que havia saído de Nova Prata, na Região da Serra, na noite de sexta-feira (1), retornava do Paraguai na manhã de domingo ao Rio Grande do Sul. Conforme relato de sobreviventes à polícia, o ônibus hrecém havia feito uma parada em um restaurante para que os passageiros tomassem café da manhã.

O motorista perdeu o controle perto de uma ponte sobre trilhos, no km 3 da rodovia ERS-135. O local é de difícil acesso.

Conforme a empresa Turis Prata, proprietária do ônibus, o homem que estava dirigindo na hora do acidente estava em estado de choque momentos após o acidente e não conseguia explicar o que ocorreu. Representantes da empresa foram ao local ajudar no resgate.

Fonte: G1