Polícia irá investigar médica que colou olho de menino de 1 ano

Polícia irá investigar médica que colou olho de menino de 1 ano

Cola cirúrgica usada por médica de hospital de Jacarepaguá tem a substância cianoacrolato, também presente em cola de bricolagem .

A Polícia Civil vai investigar a médica Rachel Barbedo Pedrosa, que usou uma cola cirúrgica para fechar um corte no supercílio do menino Bruno Lima Furtado, de 1 ano e 7 meses, e deixou cair o produto no olho esquerdo da criança. O caso ocorreu na noite de terça-feira no hospital Rio?s D?Or, no Pechincha, em Jacarepaguá. Bruno havia caído enquanto brincava dentro de casa e tinha sofrido um corte no supercílio ao bater numa mesa. A médica optou pela cola no lugar de fazer uma sutura. O produto tem a mesma substância (cianoacrilato) da cola tipo Super Bonder.

O caso está sendo investigado pela 41ª DP (Tanque), e a polícia enviará um ofício ao hospital para ouvir a médica. Também deverá ser ouvido o oftalmologista Fábio Oliveira, que prestou o segundo atendimento. Segundo o médico, Bruno não corre o risco de ter a visão prejudicada. Ele receitou um gel (para manter o olho lubrificado), um colírio antibiótico (para evitar inflamação) e soro fisiológico (para retirar a cola). O prazo para o olho ser descolado é de sete a dez dias. Caso isso não ocorra, será necessária uma microcirurgia.

Os pais da criança, o servidor público Fabiano Mendonça e a meteorologista Gilmara Furtado, acusam a cirurgiã Rachel Pedrosa de erro médico e pretendem recorrer à Justiça. A cola, de acordo com o casal, atingiu o globo ocular da criança e provocou o fechamento parcial da pálpebra. Os pais afirmam que a médica apertou com muita força o bastão da cola. Por causa do problema, o menino teve que ser internado na própria noite de terça-feira. Fabiano e Gilmara contaram que a cirurgiã ligou para um oftalmologista do hospital, que, no entanto, não pôde ir à unidade prestar atendimento.

? Ele (o menino) estava dormindo durante o atendimento e ficou muito agitado quando o produto caiu no olho. Começou a esfregar o olho, o que piorou a situação. Mas a médica em momento algum pediu a ajuda de uma enfermeira e usou apenas uma gaze com soro fisiológico para tentar retirar a cola.

Depois, pediu desculpas e disse que nada além do que ela fez poderia ser feito ? disse a mãe.

Gilmara contou ainda que foi obrigada a esperar por quase três horas para Bruno ser internado porque, ao sair de casa correndo, o pai esquecera a carteira do plano de saúde.

? Meu filho já tinha sido atendido e eles tinham como verificar o número da carteirinha com o plano de saúde. Ele só foi internado às 2h.

Na manhã desta quarta-feira, o oftalmologista que atenderia Bruno às 9h não apareceu. O pai do garoto reclamou com a supervisão do hospital e foi obrigado a esperar por outro especialista, que chegou às 10h.

Médico diz que uso de cola é comum

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, José Orácio Abougibe, o uso da cola cirúrgica é comum.

? Ela cola tudo, assim como a Super Bonder. Até o cheiro é igual. É usada não só por uma questão estética, como também porque é bem mais confortável para uma criança do que os pontos.

Em nota, a assessoria da rede de hospitais D?Or informou que Bruno chegou à unidade com uma lesão de aproximadamente 5 milímetros de comprimento, ?que foi tratada com um tipo de cola cirúrgica, indicada para pequenas lesões como alternativa ao uso de pontos convencionais?. A direção disse estar à disposição da família e que prestará todo o atendimento necessário. Ainda segundo a nota, o hospital afirmou que ?algumas adversidades inerentes ao uso deste medicamento podem acontecer? e reiterou que o oftalmologista não constatou qualquer complicação tanto na córnea como no globo ocular do paciente.

A direção do hospital entrou em contato com a médica, que informou não se sentir confortável para falar com a imprensa. Rachel disse à assessoria da rede que optou pela cola por uma questão estética, para a cicatriz ficar menos aparente. Rachel é médica especializada em cirurgia geral e trabalha no Rio?s Dor desde que ele foi inaugurado, há três anos.

A assessoria do Cremerj informou que casos como o de Bruno podem ser encaminhados ao órgão como denúncia pelo paciente ou pelo responsável. O Cremerj acrescentou que pode ainda investigar o caso com base nas informações da imprensa. O conselho abre uma sindicância e, quando necessário, inicia um processo ético contra o médico.

Fonte: OGlobo