PM confirma que Cadu ligou para 190 na noite do crime

PM confirma que Cadu ligou para 190 na noite do crime

Polícia disse que ele falava coisas desconexas nas ligações.

A Polícia Militar de São Paulo confirmou nesta sexta-feira (19) que recebeu duas ligações do celular de Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, acusado de matar o cartunista Glauco e o filho dele, Raoni. As ligações foram recebidas na noite do crime, por volta das 0h30.

A informação surgiu do depoimento dado por Cadu em Foz do Iguaçu, onde ele está preso na sede da Polícia Federal. Cadu disse que pretendia se entregar, mas que a polícia não lhe deu atenção.

Em comunicado, a PM de São Paulo disse que a pessoa que ligou narrava coisas desconexas e não dizia onde estava. Por isso, o atendente do 190 teria pedido que ele procurasse um distrito policial.

Nesta sexta, a Justiça de São Paulo autorizou a quebra do sigilo telefônico de Cadu, a pedido da Polícia Civil. De acordo com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo, também foram quebrados os sigilos telefônicos do amigo de Cadu, Felipe Iasi, que esteve na casa de Glauco. A polícia também terá acesso aos dados telefônicos das vítimas, Glauco e Raoni.

A polícia pediu na quinta-feira a quebra do sigilo telefônico. Cadu fez três ligações durante a fuga.

O crime

Glauco e Raoni levaram quatro tiros cada um. O cartunista estava em casa com a família, no mesmo terreno onde fica a Igreja Céu de Maria, da doutrina do Santo Daime.

De acordo com a polícia, o plano de Cadu era levar Glauco até a casa de sua mãe para ele convencê-la de que o irmão dele seria o Cristo reencarnado. Na casa do cartunista, Cadu ameaçou atirar em Glauco diante de sua recusa em seguir com ele. Com a confusão, Raoni chegou ao local e houve uma discussão. Foi quando o suspeito atirou nas duas vítimas.

Após os disparos, Cadu ficou escondido na mata próxima à casa do cartunista até o início da manhã seguinte. Segundo o rastreamento de seu telefone celular, ele tentou se aproximar da casa da família outras duas vezes.

Na manhã de domingo (14), pegou um ônibus e depois roubou um carro na Vila Sônia, Zona Oeste de São Paulo. Depois, seguiu para Foz do Iguaçu, no Paraná, onde tentou fugir para o Paraguai. Na fuga, ele resistiu à abordagem da Polícia Rodoviária Federal. Uma hora depois, atirou em um policial federal que tentou pará-lo na Ponte da Amizade.

Fonte: g1, www.g1.com.br