Polícia Militar manda prender quem praticar preço abusivo no Rio

Polícia Militar manda prender quem praticar preço abusivo no Rio

Determinação vale para todas as cidades atingidas pela chuva.

O comandante-geral da Polícia Militar do Rio de Janeiro, coronel Mário Sérgio, mandou prender todos os comerciantes que forem flagrados cobrando preços abusivos por alimentos, água e velas no município de Nova Friburgo. Segundo o comandante, ordem semelhante será repassada aos policiais de todas as cidades atingidas pelas chuvas na região serrana do estado.

- Ninguém pode explorar a dor dos outros, se aproveitar da agonia da população para vender, por exemplo, um pacote de velas [que custa em torno de R$ 1,50] por R$ 10. Quem a gente encontrar fazendo isso será preso e levado diretamente ao Ministério Público.

Segundo o subchefe administrativo da Polícia Civil, delegado Fernando Albuquerque, por enquanto os policiais estão dando prioridade à identificação dos corpos e à manutenção da segurança da cidade. Mas, em um segundo momento, haverá a investigação de crimes contra o consumidor, cujas penas são de dois a cinco anos de prisão, sem fiança. Em alguns locais, segundo moradores, há galões de água que custam R$ 6 sendo vendidos por até R$ 40.

Moradores relatam preços absurdos por alimentos e outros itens de primeira necessidade. Um galão de 20 litros de água era vendido por R$ 40 em Nova Friburgo.

De acordo com o delegado regional da serra fluminense, Renato Chernicharo, a situação de segurança da cidade é tranquila. Sete equipes de delegacias da capital estão reforçando o efetivo da Polícia Civil. ?De forma geral, a situação está tranquila. Os registros de crime estão até baixos. Só houve mesmo aqueles boatos em Teresópolis e Nova Friburgo?, disse.

Segundo Chernicharo, a delegacia de Nova Friburgo foi afetada pelas chuvas. Por isso, os policiais improvisaram uma delegacia em outro local. Os presos, no entanto, continuam na carceragem da delegacia.

Tragédia das chuvas

O forte temporal que atingiu o Estado do Rio de Janeiro na terça-feira (11) deixou centenas de mortos e milhares de sobreviventes desabrigados e desalojados, principalmente na região serrana.

As cidades de Nova Friburgo, Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto foram as mais afetadas. Serviços como água, luz e telefone foram interrompidos, estradas foram interditadas, pontes caíram e bairros ficaram isolados. Equipes de resgate ainda enfrentam dificuldades para chegar a alguns locais.

Veja a galeria de fotos

No final da noite desta sexta-feira (14), a presidente Dilma Rousseff liberou R$ 100 milhões para ações de socorro e assistência às vítimas. Além disso, o governo federal anunciou a antecipação do Bolsa Família para os 20 mil inscritos no programa nas cidades de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis.

Empresas públicas e privadas, além de ONGs (Organizações Não Governamentais) e voluntários, também estão ajudando e recebem doações.

Os corpos identificados e liberados pelo IML (Instituto Médico Legal) são enterrados em covas improvisadas. Hospitais estão lotados de feridos. Médicos apelam por doação de sangue e remédios. Os próximos dias prometem ser de muito trabalho e expectativa pelo resgate de mais sobreviventes.

Em visita à região de Itaipava, em Petrópolis, o governador Sérgio Cabral (PMDB) disse que ricos e pobres ocupavam irregularmente áreas de risco e que o ambiente foi prejudicado.

- Está provado que houve ocupação irregular, tanto de baixa quanto de alta renda. Está provado também que houve dano da natureza. Isso não tem a ver com pobre ou rico.

Fonte: R7, www.r7.com