Garota forja próprio sequestro e mãe pede até um empréstimo

Crime foi planejado pela suposta vítima com amiga de 14 anos, diz polícia. Mãe pegou até empréstimo para pagar resgate; ela se disse "decepcionada"

A Polícia Civil do Distrito Federal apresentou nesta segunda-feira (3) dois adultos suspeitos de forjar o sequestro de uma garota de 16 anos em Santa Maria. Com a ajuda da menina e outros dois adolescentes, eles teriam exigido R$ 8 mil da mãe da garota para a falsa libertação.

O grupo foi detido na sexta (30) e os adolescentes liberados pela Justiça no sábado. Segundo o delegado Leandro Ritt, o golpe foi arquitetado pela falsa vítima e uma amiga dela, de 14 anos.

"Elas foram para a casa de um ex-namorado da amiga da vítima na segunda e fizeram a primeira ligação na quarta", disse o delegado. "Eles ficaram esse período planejando os detalhes."

Ritt disse que o rapaz, de 23 anos, pediu a ajuda de um ex-presidiário de São Paulo, 35, para executar o plano. Nos telefonemas, eles teriam ameaçado esquartejar a vítima e se diziam ligados a uma facção criminosa que age nos presídidos de São Paulo. A menina fingia chorar nas ligações.

Na madrugada de sexta, o terceiro adolescente foi convidado pelo grupo para buscar o dinheiro do resgate, que seria entregue em um matagal em Santa Maria. Durante as negociações, os supostos sequestradores decidiram simular a libertação da vítima por medo de serem presos. Ela tinha lesões no rosto e estava muito suja, informou o delegado.

"Nós só fomos descobrir que era um falso sequestro depois de entrevistar a menina por algumas horas, porque por algum tempo ela insistiu em manter a história. Ela foi orientada a dizer que foi pega por dois negros na rua. Os adultos são brancos."

Ritt informou ainda que as adolescentes moram no Recanto das Emas e que a mãe da suposta vítima é servidora pública. Se condenados, os adultos poderão pegar até 14 anos por extorsão e corrupção de menores.

Segundo o delegado, a mãe da menina supostamente sequestrada chegou a fazer um empréstimo para pagar o falso resgate. Ela servidora pública do DF. O delegado disse que a mãe se disse "decepcionada" e que a menina correu risco. "Eles poderiam ter recebido o dinheiro e matado a adolescente por medo de que ela acabasse confessando o plano."

Fonte: G1