Preso homem que levou atirador até vítima antes de execução

Preso homem que levou atirador até vítima antes de execução

Cleiton não sabia que estava sendo procurado, e não tem antecedentes criminais.

Policiais da 54ª DP (Belford Roxo) prenderam, nesse domingo, Cleiton da Conceição Antônio de Miranda, de 24 anos, o motociclista que levou o atirador até Igor de Oliveira Falcão, assassinado em plena luz do dia em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. De acordo com o delegado titular da 54ª DP Luiz Henrique Ferreira Guimarães, os policiais estiveram na casa da mãe de Cleiton, e de lá conduziram o suspeito para a delegacia. Na unidade, apresentaram o mandado de prisão que havia sido expedido contra ele.

Ainda segundo o delegado, Cleiton não sabia que estava sendo procurado, e não tem antecedentes criminais. O suspeito será ouvido na 54ª DP na manhã desta segunda-feira.

Para Guimarães, a motocicleta pode comprovar a participação dos outros homens que aparecem nas imagens do homicídio. Os quatro que aparecem nas imagens, divulgadas pelo EXTRA na última quinta-feira, já foram identificados. O responsável pelo disparo, Douglas Idael Pereira Ramos, ambém teve a prisão temporária decretada pela Justiça, mas está foragido.

Nas imagens divulgadas pelo EXTRA, na semana passada, é possível ver Igor sem camisa e de bermuda branca, sentado no chão de terra, na Estrada Plínio Casado, em frente a um ponto de ônibus. Um outro homem, de camisa preta e tênis ? o dono da motocileta ?, o segura pela cabeça. Segundos depois, passa a moto com duas pessoas, parando logo em frente ao rapaz. Da garupa, salta Douglas, sem camisa e de chinelos. Ele saca uma pistola e dispara três vezes à queima-roupa contra a cabeça da vítima, que ainda tenta se defender levantando os braços e abaixando a cabeça.

- Como todos os participantes da cena estão identificados, agora o objetivo é saber o vínculo entre eles, checar se houve um acordo prévio, anterior às imagens. Se os dois jovens seguravam Igor para que ele fosse morto, eles também serão responsabilizados pelo homicídio - afirmou o delegado.

Um mês antes da execução, Douglas foi condenado por porte de arma. No entanto, o atirador não foi para a cadeia. De acordo com a sentença da juíza Renata Travassos de Macedo, da 1ª Vara Criminal de Belford Roxo, proferida no dia 17 de dezembro de 2013, a pena de dois anos de reclusão foi substituída por ?prestação de serviços à comunidade? e ?prestação pecuniária, consistente no pagamento de um salário mínimo à entidade pública ou privada com destinação social a ser indicada no momento da execução?.

O jovem morto também tinha histórico criminal. Foi condenado por tentativa de roubo e ficou preso por um ano.

Fonte: Extra