Polícia do Rio Grande do Sul prende quarto suspeito de participação em morte de Bernardo

Polícia do Rio Grande do Sul prende quarto suspeito de participação em morte de Bernardo

Homem é irmão de Edelvania Wirganovicz, também suspeita do crime

A Polícia Civil prendeu na tarde deste sábado (10) o irmão da assistente social Edelvania Wirganovicz, suspeita da morte do menino Bernardo Boldrini, de 11 anos. O mandado de prisão foi cumprido em Frederico Westphalen, na Região Norte do Rio Grande do Sul. Evandro Wirganovicz também é suspeito de participação ou ocultação de cadáver no caso.

A prisão temporária foi decretada pelo juiz Fernando Vieira dos Santos, da Comarca de Três Passos, na Região Noroeste. Conforme o magistrado, o terreno onde o corpo de Bernardo foi encontrado é de difícil escavação, o que pode indicar a presença de um homem além de Edelvania e a madrasta do garoto, Graciele Ugulini. Além disso, testemunhas apontaram a presença do suspeito nos arredores do local onde o cadáver foi encontrado dias antes do crime. A prisão é de caráter temporário, por 30 dias.

"Deve-se ponderar que o representado teria estado no local antes do assassinato de Bernardo, o que pode indicar, desse modo, a premeditação do fato, a implicá-lo (ao representado), no mínimo, como partícipe por auxílio no crime de homicídio, e não apenas na ocultação do cadáver", observou o juiz.

O advogado de Evandro, Demetryus Eugenio Grapiglia, disse que ainda não tem conhecimento dos motivos da prisão e que o seu cliente foi interrogado na semana passada. O preso tem 31 anos, é motorista e será levado para Três Passos, onde ocorre a investigação. Segundo a assessoria da delegacia, mais detalhes serão elucidados apenas na próxima terça-feira (13), após entrega do inquérito policial.

Além de Edelvania Wirganovicz, o pai da criança, Leandro Boldrini, e a madrasta, Graciele Ugulini, também estão presos desde o dia 14 de abril, mesma data que o corpo do menino foi encontrado em uma cova em Frederico Westphalen. A cidade fica a cerca de 80 km de Três Passos, onde o menino morava. Ele estava desaparecido desde 4 de abril. De acordo com a assessoria da delegacia, os três suspeitos do crime serão indiciados por homicídio triplamente qualificado, já que a morte foi consumada.

Nesta semana, o órgão solicitou um novo depoimento do pai. Ele deve ser submetido, agora, ao detector de mentiras. "Estamos esperando a resposta do advogado", afirmou Caroline, nesta sexta-feira (9), à RBS TV.

Fonte: G1