Polícia prende suspeito de furtar celular e objetos de vítima de incêndio na boate Kiss

Polícia prende suspeito de furtar celular e objetos de vítima de incêndio na boate Kiss

Homem foi encaminhado nesta quarta-feira (6) à 1ª DP de Santa Maria.

Um homem foi preso no fim da manhã desta quarta-feira (6) por suspeita de furtar pertences de uma vítima do incêndio na boate Kiss, em Santa Maria. Ele foi encaminhado à 1ª Delegacia de Polícia do município, que investiga as causas da tragédia. O incêndio na casa noturna em 27 de janeiro deixou 238 mortos.

"Prendemos um homem que estava com os pertences de uma vítima, um celular e outras coisas. Nossa equipe está na rua apurando as circunstâncias do fato", disse o delegado Marcelo Arigony. Após o depoimento, os policiais saíram da delegacia com o homem, mas não quiseram falar com a imprensa e não confirmaram para onde ele foi levado. Minutos depois o suspeito retornou para a DP.

O homem foi flagrado pela polícia tentando vender um relógio. A suspeita é que os furtos tenham ocorrido no ginásio do Centro Desportivo Municipal, para onde os corpos das vítimas foram levados no domingo (27).

Além da prisão do suspeito, a Polícia Civil de Santa Maria cumpre cinco mandados de busca e apreensão sobre a investigação. Uma das ações foi a procura de vídeos de shows e fotos da banda Gurizada Fandangueira, que tocava no momento do início do fogo, na casa de um dos músicos.

Entenda

O incêndio na boate Kiss, em Santa Maria, no dia 27 de janeiro, deixou 238 mortos. O fogo teve início durante a apresentação da banda Gurizada Fandangueira, que fez uso de artefatos pirotécnicos no palco. De acordo com relatos de sobreviventes e testemunhas, e das informações divulgadas até o momento por investigadores:

- O vocalista segurou um artefato pirotécnico aceso.

- Era comum a utilização de fogos pelo grupo.

- A banda comprou um sinalizador proibido.

- O extintor de incêndio não funcionou.

- Havia mais público do que a capacidade.

- A boate tinha apenas um acesso para a rua.

- O alvará fornecido pelos Bombeiros estava vencido.

- Mais de 180 corpos foram retirados dos banheiros.

- 90% das vítimas fatais tiveram asfixia mecânica.

- Equipamentos de gravação estavam no conserto.

Fonte: G1