Acusado de participar de chacina é preso em bar e faz sinais para fotos

Os policiais estavam fazendo uma ronda no local quando identificaram o bandido, que não resistiu à prisão.

Policiais do 20º BPM (Mesquita) prenderam, na tarde deste domingo, o traficante Abner José Moura da Oliveira, o Ratinho, de 29 anos. Ele é acusado de participar da chacina que matou seis jovens com idades entre 16 e 19 anos na Favela da Chatuba, em Mesquita, em setembro de 2012. Ele também é apontado como o braço direito de Remilton Moura da Silva, o Juninho Cagão, que chefiou o tráfico de drogas na Chatuba até ser morto, em janeiro deste ano.

Ratinho estava num bar na Rua Inácio Serra, na própria comunidade da Chatuba. Os policiais estavam fazendo uma ronda no local quando identificaram o bandido, que não resistiu à prisão. Não foram encontradas armas ou drogas com ele. Ratinho foi levado para a 54ª DP (Belford Roxo). Ao ser apresentado aos jornalistas na delegacia, Ratinho sorriu e fez sinal de positivo para as fotos.

De acordo com policiais do 20º BPM, existem cinco mandados de prisão contra o traficante, todos por homicídio. Um deles diz respeito à participação dele na chacina da Chatuba. Ele também é acusado de tráfico de drogas e associação para o tráfico de drogas.

Ratinho é conhecido por dizer que não foge dos confrontos com a polícia e que gosta de atirar contra policiais. Depois de Juninho Cagão ter sido morto pelos próprios cúmplices, Ratinho teria fugido para a comunidade da Coreia, próxima à Chatuba, onde teria passado a comandar o tráfico de drogas.

Na época da chacina, familiares dos jovens disseram que eles foram mortos porque o celular de um deles tocou um funk que faz apologia a uma facção rival à que comanda o tráfico na Chatuba.

As vítimas ? que, segundo os parentes, não eram usuários de drogas e não tinham envolvimento com criminosos ? estavam indo para uma cachoeira e passavam por uma mata que era usada como rota de fuga dos bandidos em ações da polícia. As investigações levaram ao indiciamento de Ratinho e outras 13 pessoas pelo crime.



Fonte: Extra