Polícia tenta identificar carro usado por suspeitos de decapitar ex-jogador

Cabeça foi encontrada pela esposa dentro da mochila da vítima

A polícia vai analisar as imagens de câmeras de segurança para tentar identificar o carro usado pelos criminosos que decapitaram em Realengo, Zona Oeste do Rio, na madrugada desta terça-feira (29), o ex-jogador de futebol João Rodrigo Silva, de 35 anos. A vítima já jogou no Bangu, no Madureira, no Botafogo do Distrito Federal e em times da Suécia e Honduras, como mostrou o RJTV.

"Era um homem bom, de família. Vivia para o futebol e até pouco tempo jogava. Ele chegou a jogar fora do país também. Assaltaram a loja dele faz pouco tempo. Meu amigo viu quando pegaram ele e me ligou. Um Astra preto com dois homens renderam ele. Ele não tinha inimigos?, contou Bruno Santos, amigo da vítima, que acrescentou que a vítima teve o carro roubado, um I30, em frente a sua loja de produtos naturais em Realengo.

Segundo o cunhado da vítima, que não quis se identificar, a esposa, que é policial militar e trabalha na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de São Carlos, na Zona Norte, passou a madrugada na expectativa da chegada do marido. A polícia informou que ele teve a cabeça deixada dentro da sua mochila, na porta da casa, por volta das 6h.

?Todo carro que passava ela ia ver. Por volta das 4h30 da manhã, ela escutou um barulho, abriu o portão e estava a mochila dele. Quando ela abriu, era a cabeça. Eu não quis ver, mas o pessoal que viu, falou que arrancaram os olhos e a língua. Testemunhas disseram que viram ele sendo abordado por homens que o levaram dentro do próprio carro. Pelo que eu saiba, ele não tinha inimigos e a mulher dele também não?, declarou o irmão da PM.

A esposa de João Rodrigo disse para a polícia que o marido não tinha recebido nenhuma ameaça. A polícia investiga o que motivou o crime, mas já se sabe que foi uma execução. Nos próximos dias, agentes vão começar as buscas pelo corpo. Imagens de câmeras de segurança serão analisadas.

As primeiras informações coletadas por agentes do 14º BPM (Bangu) dão conta que traficantes das favelas Minha Deusa, Vila Vintém ou Curral podem ter cometido o crime. A Polícia Militar procura os responsáveis. Policiais da Divisão de Homicídios (DH) foram para o local para realizar perícia.

O delegado adjunto Willian Pena Júnior, da Delegacia de Homicídios, afirmou que nenhuma linha de investigação foi descartada, tanto milícia quanto assalto e tráfico. ?Há duas equipes nas ruas. Uma delas analisa as imagens de câmeras do local e a outra está buscando testemunhas. Segundo o depoimento do funcionário do ex-jogador e de outras testemunhas, João manteve sua rotina normal no dia do crime?, explicou o delegado. ?O modelo e a cor do carro dos criminosos já foram identificados, e a perícia tenta identificar a placa do veículo?, acrescentou. Ainda de acordo com o delegado, a mulher da vítima vai passar por uma equipe de psicólogos.

Chacina em Realengo

Esse é, pelo menos, o segundo crime brutal em Realengo em menos de uma semana. Na quinta (25), sete pessoas foram mortas a tiros de fuzil e pistola em uma casa, supostamente utilizada para consumo de drogas. A Divisão de Homicídios investiga os responsáveis pela chacina, que teriam invadido a casa encapuzados.

Fonte: G1