Polícia vai investigar ameaça no celular de Sérgio, primo de Bruno

Polícia vai investigar ameaça no celular de Sérgio, primo de Bruno

Sérgio Rosa Sales teria sido ameaçado há dois meses, segundo a polícia.

O delegado Frederico Abelha informou neste sábado (25), por meio da assessoria da Polícia Civil de Minas Gerais, que vai apurar uma ameaça recebida no celular de Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno Fernandes. Segundo a polícia, ele teria recebido a mensagem há dois meses. A polícia não divulgou o conteúdo da mensagem, nem informou o remetente para evitar prejuízos às investigações. Sales tinha 24 anos e foi executado com seis tiros, nesta quarta-feira (22), no bairro Minaslândia, na Região Norte de Belo Horizonte. Assim como o jogador, Sérgio era réu no processo que investiga o desaparecimento e a morte de Eliza Samudio.

Na noite desta sexta-feira (25), Marco Antônio Siqueira, o advogado responsável pela defesa de Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno Fernandes, afirmou em entrevista que desconhecia qualquer ameaça ao cliente. "[Sérgio] nunca falou nada a respeito disso", disse. Siqueira contou ainda que, após ser solto, o ex-cliente tinha acompanhamento psicológico e nunca relatou ter sido coagido. "[Sérgio] nunca falou sobre esta questão. Muito ao contrário. [Ele] vinha estudando, vinha trabalhando quando lhe era possível", disse. "[Sérgio] nunca mencionou nada, nenhuma questão que pudesse atormentá-lo em face deste acontecimento, deste episódio do caso Bruno", acrescentou Siqueira.

O advogado disse também que desconhece qualquer motivação que pudesse levar ao assassinato de Sérgio. "Jamais. Não sei e até nem pretendo saber. Acho que isso aí é responsabilidade da polícia, a Polícia Civil de Minas Gerais. E eu quero, de certa forma até me manter distante porque a morte dele foi uma surpresa muito grande pra mim. Eu sofri com isto também. Cabe à polícia a última palavra", falou o defensor. "Eu tinha muita confiança nele [Sérgio]. Sempre o considerei como uma testemunha muito privilegiada dos fatos. Ele viu e ouviu parte dos acontecimentos, mas ele jamais teve participação", comentou Siqueira.

Nesta sexta-feira (24), o delegado Frederico Abelha, que investiga a morte de Sérgio, informou que parentes dele disseram em depoimento que o primo de Bruno vinha sofrendo ameaças. O pai da vítima chegou a dizer momentos após o crime que o filho não tinha inimigos. "Ele não estava sendo ameaçado, ele era amigo de todo mundo", afirmou Carlos Alberto Sales.

Marco Antônio Siqueira também disse nesta sexta-feira (24) que não acompanhou o depoimento da família do ex-cliente. "No momento, a família não precisa de advogado", falou. "Eu considero que a minha participação como advogado no caso Bruno se encerrou no momento da morte do Sérgio", completou.

Perguntado sobre a informação de que também teria sido ameaçado, o ex-advogado de Sérgio negou. "Muito pelo contrário. Muitas divergências surgiram muito provavelmente provocadas pelo ciúme. Por eu fazer parte de um bloco defensivo", disse.

Investigações

A Polícia Civil informou neste sábado (25) que considera que sete homens presos nesta sexta-feira (24) podem ter ligação com o crime. O grupo foi detido por tráfico de drogas, após uma denúncia anônima. Segundo a Polícia Militar (PM), uma segunda denúncia, recebida depois de o grupo ser detido, informava que suspeitos teriam envolvimento com a morte de Sérgio Rosa Sales.

Segundo um soldado que participou da ocorrência, no local onde o grupo foi preso, havia uma moto vermelha, e um dos sete suspeitos confirmou ser o dono do veículo. De acordo com o militar, o executor de Sérgio também foi visto em uma motocicleta da mesma cor. Ainda segundo o PM, o grupo detido teria uma rivalidade com uma quadrilha do bairro Minaslândia, local onde morava Sales.

O delegado Frederico Abelha disse na noite desta sexta-feira (24) que a informação sobre uma possível briga envolvendo o jovem, em uma partida de futebol um dia antes do crime, não procede. Nesta quinta (23), Frederico Abelha afirmou que todas as possíveis motivações do assassinato estão sendo investigadas, inclusive queima de arquivo.

O goleiro Bruno recebeu a notícia da morte do primo com tristeza, segundo o advogado, Francisco Simin. "Bruno está muito chocado com a morte do Sérgio?, disse o defensor

Fonte: G1