Postos de gasolina e farmácias são alvos de assaltos

Postos de gasolina e farmácias são alvos de assaltos

Para o major Jorge Lima, estes são locais preferenciais para os assaltantes.

Postos de gasolina e farmácias são alvos preferenciais de assaltantes, que, em geral, fazem os delitos equipados com motos e armados com revólveres. Já virou rotina, que tem provocado significativa mudança tanto no orçamento dos estabelecimentos, como nos horários de funcionamento. Porém, segundo estatísticas da Polícia Militar, com as operações iniciadas em julho, os assaltos têm diminuído em cerca de 70%.

Para o major Jorge Lima, estes são locais preferenciais para os assaltantes, pois dá um maior campo de fuga. "São locais abertos, que não se pode usar de portas rotatórias, por exemplo, além de serem locais de muito movimento", analisa o major, acrescentando que este é o principal motivo dos postos e farmácias serem alvo dos assaltantes.

O certo é que o fato tem pesado no bolso dos donos de estabelecimentos. O gerente de posto, André Ferreira, conta que atualmente investem muito em segurança, com contratação de pessoal e ferramentas, como câmeras. O que gera aumento nos gastos em torno de 15%.

"Nós já fomos assaltados e sempre chamamos a polícia, contamos com este apoio, mas não é suficiente. O fato fez com que mudássemos os procedimentos de atendimento. Inicialmente iríamos ficar abertos 24 horas. Mas desistimos por conta dos assaltos, além disso, colocaríamos em risco a vida de nossos frentistas", diz André.

Major Jorge conta que atualmente a Polícia Militar tem intensificado a segurança utilizando as viaturas do RONE (Rondas Ostensivas de Naturezas Especiais) e do Ronda Cidadão, de modo que este mês ainda não foi registrada nenhuma ocorrência nos postos de gasolina.

Em farmácias foram duas ocorrências no mês de agosto. A estratégia utilizada pela polícia é de permitir que as viaturas permaneçam paradas nos locais onde há mais ocorrências.

Fonte: Sarah Fontenelle