Preso diz que matou menina e atacou outras 5

Homem de 25 anos teve a prisão temporária decretada pela Justiça.

A Polícia Civil prendeu nesta quinta-feira (6) Rafael Inácio Alcântara, de 25 anos, suspeito de matar a golpes de faca a estudante Gabriela de Souza Teixeira, de 17 anos, em um ponto de ônibus na Avenida Interlagos, na Zona Sul de São Paulo, em 19 de maio. A prisão foi feita na casa de Alcântara, que mora com a mãe e o irmão na mesma região do crime.

A polícia diz que o suspeito confessou o assassinato. A Justiça decretou a prisão temporária dele. Além de Gabriela, Alcântara disse à polícia ter atacado outras cinco mulheres entre 14 de maio e 3 de junho, todas em pontos de ônibus na Avenida Interlagos.

Elas ficaram feridas no pescoço, mas sobreviveram. ?Ele comentou que ouvia vozes que o faziam cometer os crimes. Ele precisava matar para aliviar a cabeça?, afirmou o delegado Luiz Carlos do Carmo, titular do 48º Distrito Policial, em Cidade Dutra. O homem foi reconhecido por duas vítimas e testemunhas do caso Gabriela.

O suspeito saiu de um Centro de Detenção Provisória (CDP) em 5 de abril. Ele tinha passagem por roubo e furto. As agressões às mulheres com idades entre 17 anos e 43 anos aconteceram em um raio de 2 km. ?Ele sempre praticava os crimes usando boné branco e jaqueta escura?, disse o delegado.

A polícia diz que, antes do assassinato de Gabriela, o suspeito confessou que praticava vandalismo contra ônibus na região e chegou a ferir uma menina com uma pedra.

As investigações levaram a Alcântara porque a primeira vítima relatou à polícia que o homem "tinha traços indígenas". Foi feita uma busca no banco de dados de pessoas com passagem pela polícia na região e o cruzamento de informações do retrato-falado do suspeito de matar Gabriela. Todos os dados levaram à prisão do suspeito, que tem apelido de "Pajé".

O homem vai responder por cinco tentativas de homicídio e um homicídio doloso.

Crime

A vítima, de 17 anos, esperava um ônibus para ir à igreja, por volta das 16h de um domingo, quando um homem usando boné branco chegou. Uma testemunha contou à polícia que quando Gabriela viu quem era, ela disse: "Você aqui?"

Logo em seguida, a estudante foi atacada com uma facada no pescoço e morreu no local. O assassino fugiu a pé. Um vídeo registrou o momento em que ele deixava o local do crime.

Os passageiros que aguardavam o coletivo correram. O caso foi registrado no 101º Distrito Policial, no bairro Jardim das Embuias, e encaminhado ao Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

Fonte: G1