Presos acusados de matar prefeito no Rio

Foram apreendidos revólveres e pistolas e uma camisa que teria sido usada por um dos assassinos

Seis homens foram presos na madrugada desta quarta-feira (29) sob suspeita de participação no assassinato do pai do prefeito de Guapimirim, o ex-deputado estadual Renato do Posto , em março deste ano. Segundo o delegado Márcio Caldas, titular da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, que coordenou a operação, os presos são três policiais militares, dois ex-pms e um policial civil.

Com eles foram apreendidos revólveres e pistolas, além de uma camisa que teria sido usada por um dos assassinos no dia do crime. As prisões ocorreram em pontos diferentes da Zona Oeste do Rio e da Baixada Fluminense: Bangu, Campo Grande; uma localidade em Caxias, Parque Lafayete, Parque Araruama e Guapimirim.

O crime

Renato do Posto foi morto no dia 12 de março com dois tiros que atingiram a cabeça e o peito. Os assassinos teriam rendido o caseiro do condomínio Parque das Águas, em Guapimirim, invadido a residência e amarrado a vítima antes de matá-la.

A família diz que o assassinato foi encomendado. Os investigadores acreditam que os suspeitos conheciam a rotina da vítima e seguem a mesma linha e acham que se trata de um crime com motivação política.

O caseiro explicou aos policiais como os dois criminosos o renderam. Segundo ele, os assassinos estavam encapuzados, de luvas e roupas que cobriam todo o corpo. O caso foi registrado na 65ª DP (Magé).

Controle político

Renato era pai do prefeito da cidade, Júnior do Posto, e irmão do ex-prefeito, Nélson do Posto, que atualmente é secretário de governo do município. A família mantém o controle político de Guapimirim há quase 20 anos. Desde 1990, quando a cidade foi emancipada, o grupo ganhou três eleições.

Na campanha de 2008, houve tumulto no município. Júnior do Posto entrou na disputa apenas um dia antes da votação , depois que o tio, Nelson do Posto, teve a candidatura cassada por supostas irregularidades. Os votos de Nelson foram para Júnior, que era o candidato a vice-prefeito pelo PTC.

O Tribunal Regional Eleitoral quis marcar uma nova disputa alegando que os eleitores não tiveram tempo de saber da mudança. Mas Júnior do Posto conseguiu uma liminar no Tribunal Superior Eleitoral e continua no cargo.

A irmã do atual prefeito, Renata do Posto, se elegeu deputada estadual pelo PTB no município. No entanto, ela teve o mandato cassado em 2008 por irregularidades com dinheiro do auxílio educação. Na época, ela negou as acusações.

Fonte: g1, www.g1.com.br