PRF coloca 220 policiais nas estradas durante o feriado no Estado do PI

A Operação Nossa Senhora Aparecida, que teve início a 0h de ontem

A Polícia Rodoviária Federal intensifica a fiscalização durante esse feriado prolongado nas estradas federais que cortam o Piauí. A Operação Nossa Senhora Aparecida, que teve início a 0h de ontem e vai até as 24h de domingo, coloca nas rodovias federais um efetivo de 220 homens com o objetivo de coibir acidentes e cuidar da segurança nas estradas.

No Piauí, o total de policiais envolvidos na operação, que acontece em nível nacional, equivale aos 170 que trabalham em regime de escala em dias normais, mais os 50 homens extras, que deverão reforçar a fiscalização nas estradas durante estes quatro dias.

Dentre os focos da operação está a repressão aos motoristas que dirigem sob efeito de álcool, apontados pela PRF como os principais envolvidos em acedentes graves no estado. Para isso, cerca de 20 bafômetros serão usados durante a operação, tanto nas viaturas, como nos postos da PRF espalhados pelo Estado. ?Vamos retirar de circulação os motoristas que dirigem alcoolizados, pois o álcool é uma das principais causas de acidentes no Piauí?, disse o chefe do Núcleo de Comunicação da PRF, inspetor Raimundo Rameiro.

O fluxo de veículos nas estradas começou a aumentar na tarde de ontem e deverá ser bastante intenso no final da tarde de domingo. Por causa disso, segundo Rameiro, a atenção será redobrada nestes dois dias, principalmente no dia da volta dos teresinenses à capital. ?Historicamente, o domingo apresenta um fluxo maior de veículos, apresentando inclusive lentidão no trânsito no final da tarde, por isso redobraremos nossa atenção neste dia?, afirmou.

A atenção também será redobrada na BR 343, que dá acesso ao litoral piauiense, para onde é maior o fluxo de veículos.

Os pontos mais perigosos, no caso das rodovias federais, e que requerem maior atenção dos condutores, segundo a PRF, são a Curva da Raposa, no município de Altos, Volta da Jurema em Piracuruca e Curva sobre o Rio Piranji.

Fonte: Pollyanna Carvalho