Professor de música é condenado por abusar de 18 crianças no MT

Professor de música é condenado por abusar de 18 crianças no MT

Ele foi condenado pela Justiça de Mato Grosso a 36 anos de prisão.

A Justiça de Mato Grosso condenou um professor deficiente visual acusado de abusar sexualmente de 18 alunos com idades entre 7 e 11 anos em uma escola municipal de Várzea Grande, na região metropolitana de Cuiabá.

A decisão foi publicada na última quinta-feira (1), mas só foi divulgada nesta terça-feira (7). Segundo consta dos autos do processo, ele levava as crianças para a sua casa e exibia filmes e músicas com conteúdo erótico.

De acordo com a decisão do juiz Jorge Luiz Tadeu, da 3ª Vara Criminal de Várzea Grande, o professor Mário Felipe Bach foi condenado a 36 anos de prisão, o que corresponde a pena máxima. Isso porque, segundo a decisão, além da pena mínima, que era de 8 anos de reclusão, também foi aplicada uma pena diferente, que corresponde à cada criança vítima dos abusos.

O advogado do professor afirmou em entrevista ao G1 que não concordou com a sentença proferida pela Justiça contra o seu cliente. ?Entendo que a pena foi desproporcional, já que ele é réu primário, não tem nada que ele possa ameaçar outras pessoas e o crime foi uma coisa isolada na vida dele?, explicou Jesuíno de Farias, que salientou que deverá recorrer da decisão.

Em 2009 quando foi preso após denúncias, o professor conseguiu um habeas corpus para aguardar o julgamento em liberdade. Em janeiro do ano passado, um novo mandado de prisão foi expedido e desde então ele é considerado foragido pela polícia. Por não ter se entregado após o pedido de prisão, o juiz ordenou ainda que, o acusado poderá recorrer da sentença apenas depois que estiver preso.

?Para apelar, o acusado deverá se recolher à prisão e aguardar o julgamento do eventual recurso?, diz a decisão. Ainda segundo o advogado do professor, antes de ingressar com o recurso, ele deverá entrar com um pedido de revogação dos dois mandados de prisão que estão em aberto contra seu cliente.

Entenda o caso

Os pais dos alunos começaram a desconfiar dos abusos cometidos pelo professor de música depois que a mãe de uma das crianças ouviu a filha contando o ocorrido a uma colega de escola e gravou a conversa pelo celular.

Uma reunião entre pais, professores e alunos foi feita e aos poucos as crianças foram contando o que o professor de música fazia em sala e na casa dele. As suspeitas aumentaram com a riqueza de detalhes com que as crianças contavam as histórias.

Segundo as crianças, ele oferecia dinheiro para manter o silêncio das vítimas e quando eram levadas para a casa do professor, ele exibia filmes e músicas de conteúdo erótico.

As crianças com idades entre 07 e 11 anos fizeram exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal. Na época o laudo apontou que não houve penetração em nenhuma das crianças. Mesmo com o resultado do laudo, o processo continuou com base na força e nos detalhes dos depoimentos das crianças.

Fonte: g1, www.g1.com.br