Professora mente que foi assaltada e ganha R$ 10 de ladrão para pegar ônibus

A professora diz que o suspeito, inicialmente, se mostrou desconfiado com a explicação, entretanto, começou a olhar as roupas da vítima e acabou acreditando na versão dela.

Uma professora que mora em São Vicente, no litoral de São Paulo, conseguiu enganar um criminoso que tentou assaltá-la, na tarde do último sábado (1°), dizendo que já havia sido roubada minutos antes. Ao ouvir a história da vítima, o suspeito acabou se solidarizando com a situação e lhe deu uma nota de R$ 10, para que pudesse pegar um ônibus e voltar para casa.

Nair Aparecida Davino, de 43 anos, afirma que estava andando pelo calçadão da praia quando foi abordada pelo criminoso. “Eu saí de casa para buscar a minha cadela no pet shop e só levei chave e um celular no bolso de trás da bermuda. Estava de chinelo e a roupa mais simples possível, sem nada de valor”, afirma.

Após o homem anunciar o assalto, ela diz que pensou em uma saída, mesmo estando em choque com a situação. “Eu olhei para a minha mão e não tinha nada, então pensei em dizer que tinha acabado de ser assaltada. Eu disse que estava voltando para casa e que havia acabado de ser roubada, antes dele me abordar”, diz.

A professora diz que o suspeito, inicialmente, se mostrou desconfiado com a explicação, entretanto, começou a olhar as roupas da vítima e acabou acreditando na versão dela. “Ele colocou a mão no bolso e comecei a ficar com medo, achando que ele ia pegar uma arma. No entanto, ele pegou algo amassado, colocou na minha mão e mandou eu pegar uma condução para voltar para casa. Quando me afastei, olhei e percebi que era uma nota de R$ 10. Ele sentiu pena de mim”, explica.

A vítima mudou seu trajeto e foi até o local onde o marido trabalha, antes de buscar a cadela. Quando os amigos souberam da história, começaram a fazer piadas. “O ladrão teve pena de mim, mas meus amigos disseram que seria melhor eu ter dito que era professora, porque assim ele teria me dado mais dinheiro”, brinca. Nair explica ainda que desistiu de registrar um Boletim de Ocorrência, já que, de acordo com a professora, foi ela quem "roubou o ladrão".


Fonte: G1