Promotor de Justiça é condenado a 17 anos por pedofilia no CE

Promotor de Justiça é condenado a 17 anos por pedofilia no CE

Segundo a denúncia, o crime ocorreu em 2005, quando uma das vítimas do crime tinha oito anos

O promotor de Justiça Ricardo Maia, julgado nesta quinta-feira (2) por crime de pedofilia foi condenado a 17 anos e meio de reclusão em regime inicialmente fechado. Por ser promotor, Ricardo Maia foi julgado pelo pleno do Tribunal de Justiça, instância máxima da Justiça no estado. Dos 19 desembargadores no julgamento, 18 decidiram pela condenação.

Segundo a denúncia, o crime ocorreu em 2005, quando uma das vítimas do crime tinha oito anos, e a irmã tinha nove anos. "Eu perdi a minha infância, praticamente. Eu não tinha com quem brincar. Não tinha o que fazer", diz a irmã mais velha, atualmente com 15 anos. "Ela é insultada na escola. Pintaram ela de estupradinha. Ela chegava em casa chorando", afirma a mãe da adolescente.

Segundo a denúncia do Ministério Público, o promotor Ricardo Maia, então coordenador-geral do Decon, convidou as duas crianças para visitarem o sítio dele, que fica em Guaramiranga, na Região Metropolitana de Fortaleza. Lá, de acordo com a denúncia, ele trancou as crianças em um quarto para praticar violência sexual.

O promotor chegou a ficar preso por cinco dias no quartel do Corpo de Bombeiros, em Fortaleza. Ele foi solto e continuava em atividade no Ministério Público até antes da condenação. O advogado diz que a família autora da denúncia mentiu sobre o caso.

"São tantas as contradições. Sem exagero, são mais de 75 contradições. Analisando o depoimento prestado pelas menores, por suas mães, avós e tias, faça a verificação, elas faltam com a verdade", defende Clayton Marinho, advogado de defesa do promotor.

A acusação, por outro lado, defendeu que houve o crime de forma premeditada, conforme explica Assis Costa, advogado assistente de acusação: "Ele arquitetou todo o plano. Começou a agradar a família, depois começou a convidar as crianças para brincar e ir à piscina para tomar banho".

Fonte: G1