Vítima de tiro inocentou Adriano por causa de promessa de que o hospital seria pago

Vítima de tiro inocentou Adriano por causa de promessa de que o hospital seria pago

O incidente aconteceu na véspera do Natal de 2011.

O episódio do Natal do ano passado, em que uma mulher que estava no carro com Adriano levou um tiro na mão, voltou à tona com a nova versão da vítima. Segundo o promotor que acompanha o caso, Adriene Cyrilo inocentou o jogador após o incidente pela promessa de que suas despesas hospitalares seriam pagas.

?Ela disse que fez isso [inocentar Adriano] apenas porque haviam dito que pagariam as despesas hospitalares dela e ela havia se sentido muito pressionada, querendo se livrar daquela situação. Aí ela decidiu assinar aquela acareação, mas logo no dia seguinte ela estava arrependida, procurou um advogado e decidiu prestar um novo depoimento, não mais em delegacia, mas ao Ministério Público?, disse Marcio Almeida, promotor do MP que está cuidando do caso, ao Sportv.

O incidente aconteceu na véspera do Natal de 2011. Adriano e o policial reformado Julio Cesar Oliveira voltavam de uma boate com quatro mulheres no carro quando uma delas levou um tiro na mão. Em seu primeira depoimento, Adriene Cyrilo disse que Adriano estava com ela no banco de trás e com a arma na mão quando o disparo ocorreu.

Quando recebeu alta médica, ela prestou novo depoimento e manteve a versão, para modifica-la momentos depois, dizendo que Adriano não estava no banco de trás do carro e que ela mesma teria disparado a arma acidentalmente. O caso só voltou a ser notícia por conta de uma nova versão de Adriene, de que Adriano estava no banco de trás e que o revólver não estava com ela na hora do acidente.

?A conclusão inicial que você pode tirar é que, como ele tinha ciência de que a arma estava no carro e o policial da reserva que estava com ele naquele momento, proprietário da arma, afirmou que guardou a arma no carro, como nenhum dos dois teve cautela mínima para, ao convidar quatro mulheres para entrar no veículo, evitassem que aquela lesão corporal ocorresse??, disse Marcio Almeida.

Adriano foi intimado a prestar um novo depoimento sobre o caso no dia 6 de novembro, em uma acareação com Adriene no Jecrim (Juizado Especial Criminal) da Barra da Tijuca. Na ocasião, os dois lados serão incentivados a entrar em acordo. Caso isso não ocorra, Adriano e o ex-policial Julio Cesar Oliveira podem responder a uma ação penal por lesão corporal culposa (sem intenção).

Fonte: UOL