Promotor do caso Eliza Samudio quer Fernanda na cadeia

Fernanda é ex-namorada do caso Bruno.

O Ministério Público coloca em xeque a liberdade de Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do goleiro Bruno, condenada por sequestro e cárcere privado de Eliza Samudio e do bebê a 5 anos de prisão em regime aberto. O promotor Henry Wagner Vasconcelos quer que ela vá para a cadeia.



"Pena acima de 4 anos prevê regime semi-aberto. Então Fernanda ficaria todos os dias na prisão até conseguir emprego e ganhar o direito de visitar a família periodicamente", afirmou. Para isso, o promotor entrou com novo recurso na Justiça. A defesa de Fernanda, que ganhou o direito de recorrer da decisão em liberdade, também quer a anulação do júri.

Além de Fernanda, em novembro do ano passado, o Conselho de Sentença também condenou Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, a 12 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado, e mais três, em regime aberto, por sequestro e cárcere privado.

A dois meses do julgamento Bruno, defesa e acusação voltam a travar embate no tapetão do Judiciário. A maior reviravolta do caso pode acontecer na tarde desta quarta-feira. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais julga se anula a decisão do júri de Contagem.

O pedido de anulação foi feito pelos advogados do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, suspeito de executar Eliza. Eles alegam que tiveram o direito de defesa cerceado no julgamento em novembro. Bola, Bruno e Dayanne do Carmo, ex-mulher do goleiro, serão julgado pelo envolvimento na morte de Eliza em 4 de março. Outros dois suspeitos, Elenilson da Silva e Wemerson Marques de Souza, ainda não têm data para irem a júri popular.

Fechar o cerco às contas bancárias do goleiro Bruno de Souza é mais uma estratégia do Ministério Público para provar que ele foi o mandante da morte da ex-amante Eliza Samudio, em 2010. A quebra do sigilo foi determinado pela Justiça. Pelo crime, Bruno é acusado de ter pago R$ 5 mil. ?Isso é absurdo. As investigações já foram encerradas?, protestou Francisco Simim, um dos advogados de Bruno.

Nesta terça-feira, a juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues determinou a expedição da certidão de óbito de Eliza. ?Se existe decisão que reconhece a morte, não faz sentido determinar que genitores ou herdeiro percorram a via-crúcis de outro processo?, disse a magistrada, esclarecendo que o registro civil da morte resguarda os direitos de Bruninho, filho da ex-modelo com o jogador. Pelo documento, ela morreu por asfixia em 10 de junho de 2010.

Fonte: O Dia Online