Confronto entre PM e ativistas marca protesto com 70 mil em BH

Confronto entre PM e ativistas marca protesto com 70 mil em BH

Treze pessoas e cinco policiais ficaram feridos

A manifestação em Belo Horizonte, neste sábado (21), apesar de pacífica grande parte do dia, e para a maioria dos 70 mil que foram às ruas, foi marcada pelo confronto entre policiais e manifestantes exaltados. Treze pessoas estão internadas em hospitais com ferimentos leves a muito graves, além de cinco policiais que também foram feridos.

O cruzamento das avenidas Antônio Carlos e Abraão Caram, na região da Pampulha, próximo ao Mineirão, virou uma cena de guerra, com bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo lançadas pelos policiais, após uma chuva de pedras jogadas por alguns manifestantes na barreira formada pelos militares. Os PMs usaram, além das bombas, balas de borracha, a Cavalaria e a Tropa de Choque para conter a desordem. Enquanto isso, os vândalos, que não representam a maioria do protesto, ateavam fogo em objetos, e revidavam com mais pedras. Eles resistiram por mais de duas horas no local, até que a confusão se dissipasse.

O protesto começou na Praça Sete, por volta das 10h, quando já era possível ver a movimentação. Muitas bandeiras do Brasil eram vistas. A alegria estava em gritos de guerra bem humorados, mas não sem deixar claro os alvos do protesto.

Além de protestar contra os recursos destinados para a realização da competição, eles reclamam dos R$ 0,05 de redução nas passagens de ônibus anunciados pelo prefeito Marcio Lacerda. Outras pautas estão na manifestação, entre elas o fim da chamada PEC 37, emenda que muda a Constituição e determina que somente as polícias sejam responsáveis por investigações; o Estatuto do Nascituro. Os manifestantes também são contra a proposta de lei aprovada pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados conhecida como "cura gay", contra a precariedade da saúde pública, contra a falta de qualidade na educação e os baixos salários dos professores, contra a violência policial e contra a fome e a miséria.

Uma multidão invadiu as avenidas Afonso Pena e Antônio Carlos, passando pela Praça da Estação. Um mar de gente seguiu até o Hospital Belo Horizonte, onde cantaram ?Carinhoso?, para os internados. Depois, cantaram uma versão da música com letra de protesto. O barulho diminuiu em uma atitude de respeito.

As 70 mil pessoas foram até a Pampulha, quando a situação ficou mais tensa. Uma reportagem do MGTV 2ª edição mostra a barreira de policiais militares na Avenida Abrão Caram, próximo à rotatória do Ginásio Mineirinho. Neste momento, várias pedras são atiradas, e os policiais resistem. Minutos depois, bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo são lançadas, para dispersar os manifestantes. Os mais exaltados voltam para o ponto de início do confronto, e mais bombas foram lançadas. Concessionárias foram depredadas, uma delas totalmente destruída.

No campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a segurança foi feita pelo Exército Brasileiro, já que é considerado território federal. Várias pedras foram lançadas para dentro da grade. Mas nenhuma confusão importante foi registrada dentro da universidade.

Um batalhão do Corpo de Bombeiros, na Avenida Antônio Carlos, sofreu uma tentativa de invasão. Alguns manifestantes contiveram um grupo mais exaltado até a chegadada da Tropa de Choque, quando a situação foi resolvida.

A Cavalaria precisou entrar em ação, e o confronto demorou a ser controlado. Vândalos seguiram de volta para a Praça Sete, onde atos de violência e baderna foram registrados. Várias lojas foram depredadas. A Polícia Militar, com a Tropa de Choque, ocupou as ruas do centro para impedir novos atos de vandalismo. A monitoração deve ser feita durante toda a noite.

O clima da cidade é de medo. Há muitos policiais nas principais avenidas de Belo Horizonte.

Cinco militares ficaram feridos. Entre os manifestantes, um senhor foi atingido na cabeça, e saiu protegido por policiais. Treze pessoas estão internadas em hospitais de Belo Horizonte. No Risoleta Neves, três dos feridos estão em estado mais grave, após caírem de um viaduto. Um deles corre risco de ter alguma sequela motora. Outra jovem levou uma bala de borracha e está com fratura na face.

No fim da noite, a Polícia Militar divulgou uma nota dizendo que os vândalos que cometem depredação de propriedades públicas e privadas, violência contra os policiais e outros crimes formam um grupo de cerca de 500 pessoas. A PM informou que vai usar toda a força necessária para reprimir atos marginais e garantir que as manifestações populares transcorram com ordem.


Protestos levam 70 mil às ruas em BH; 18 ficam feridos

Fonte: G1