“Queria olhar para eles e perguntar se têm filho”, diz mãe de bebê morto; veja

A criança, de apenas dois meses, foi jogada em um rio e morreu afogada

A mãe do bebê de apenas dois meses que foi assassinado por três homens afirmou que gostaria de confrontar os suspeitos, que foram apresentados nessa terça-feira (1º) pela Polícia Civil.


?Queria olhar para eles e perguntar se têm filho?, diz mãe de bebê assassinado por trio

? Eu espero um dia chegar para eles e olhar para cara deles e perguntar se têm filho. Porque se eles sentissem a falta de um filho iam saber o que eu to sentindo agora.

José Luiz, de 56 anos, o filho dele Sérgio Luiz, de 33 e Ronaldo de Lima, de 30, mataram a criança e o tio dela em São Joaquim de Bicas, na Grande Belo Horizonte. Eles ainda tentaram assassinar uma mulher com um tiro no olho. A vítima, no entanto, sobreviveu e ajudou nas investigações.

A menina foi jogada no rio Paraopeba e morreu afogada. O corpo do bebê foi encontrado cinco dias depois às margens do rio, em Betim. A mãe ficou sabendo da morte pela televisão.

? Era minha primeira filha. Foi um choque quando eu vi na televisão que acharam a minha filha no rio. Eu me arrependo até hoje. Se eu soubesse que isso ia acontecer, não tinha deixado ela com o pai.

O crime

O crime teria sido motivado por um furto ocorrido no sítio de José Luiz. Sérgio e Ronaldo acreditavam que Abimael e Marileide eram os responsáveis pelo crime. Por vingança, eles planejaram a execução do casal. Na madrugada do dia 7 do ano passado, os dois aguardaram que Abimael saísse na porta de casa e o abordaram. A vítima ainda tentou fugir, mas foi baleada no peito. Em seguida, os criminosos invadiram o imóvel e atacaram Marileide. O casal e a criança foram colocados dentro de um carro levado por José Luiz até o local e encaminhados ao local da execução, às margens do rio Paraopeba.

As vítimas foram agredidas e, em seguida, Abimael recebeu outro disparo, desta vez na cabeça. Já Marileide foi baleada no olho e jogada no rio. A criança também foi atirada no local e morreu afogada. Marileide fingiu estar morta e aguardou que os criminosos fossem embora para acionar a polícia.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Enrique Solla, Sérgio foi preso em agosto por tentativa de estupro, latrocínio e roubo. Ele já estava detido preventivamente antes de ser indicado pela morte do homem e do bebê. Os três vão responder por dois homicídios triplamente qualificados e uma tentativa de homicídio.

Fonte: r7