Guardas são obrigados a tirarem a roupa durante assalto no CE

Grupo invadiu prédio e fez guardas municipais reféns neste domingo.

?A ação foi audaciosa e constrangeu funcionários da guarda municipal e da própria empresa?, afirma o supervisor do Comando de Policiamento da Capital (CPC), major Ricardo Moura sobre o assalto aos caixas eletrônicos da Câmara Municipal de Fortaleza neste domingo (25). Na ação, um grupo de cerca de 10 homens fez funcionários e guardas municipais reféns, obrigando-os a tirar a roupa.

?Tiveram a audácia de sair para comprar gás e abastecer o maçarico usado para abrir o caixa eletrônico. Após passarem seis horas com os reféns, os elementos ainda deixaram um recado para chamar a polícia dez ou quinze minutos depois?, relata o supervisor do CPC.

Segundo a Polícia Militar, o grupo invadiu a Câmara Municipal de Fortaleza armado com pistolas e portando algemas de plástico sem nenhuma preocupação de serem identificados. Não havia câmeras dentro do prédio. ?Primeiramente, eles renderam uma funcionária da guarda municipal e adentraram, então renderam funcionários da guarita. Depois, 10 elementos chegaram bombardeando o caixa eletrônico e mantendo oito pessoas reféns?, explica o major.

O presidente do sindicato dos guardas municipais, Márcio Cruz, lamenta a situação e diz que ela era prevista pela categoria. ?Essa é uma tragédia anunciada há bastante tempo, desde quando colocaram servidores desarmados para fazer a segurança em prédios com caixas eletrônicos?, diz. O representante dos guardas lembra também do assalto com as mesmas características ao prédio da secretaria executiva regional II (SER II) em agosto de 2011, quando outro caixa eletrônico foi explodido depois de os guardas municipais serem rendidos.

O caso

Um grupo de assaltantes entrou no prédio da Câmara Municipal de Fortaleza por volta das 6h30 deste domingo (25), no Bairro Luciano Cavalcante, rendeu guardas e assaltou o caixa eletrônico, de acordo com o presidente do Sindicado dos Guardas Municipais, Márcio Cruz. Os agentes foram obrigados a tirar a roupa e só foram liberados ao meio-dia.

Segundo Cruz, cerca de 10 homens anunciaram o assalto dentro do prédio e, em seguida fizeram cinco guardas como reféns. Os vigilantes tiveram de ficar trancados em uma sala, despidos. Os assaltantes levaram o dinheiro do caixa eletrônico da Câmara, que foi abastecido na sexta-feira (23) à noite, de acordo com Cruz, que, como representante do sindicato, ouviu o relato dos guardas que estavam no prédio.

Os homens fugiram em carros. Os agentes, que trabalham desarmados e são responsáveis pela segurança patrimonial, estão prestando depoimento em uma delegacia de Fortaleza.

Fonte: G1