Rio regulamenta visita íntima nos presídios para gays e lésbicas

Rio regulamenta visita íntima nos presídios para gays e lésbicas

Haverá cartilha sobre a conduta dos dententos (as) durante as visitas

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) do Rio de Janeiro regulamentou a visitação dos detentos e as detentas LGBT dos presídios fluminenses. A resolução garante isonomia de tratamento à todos internos, ou seja, lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais terão o direito de (re)estabelecer suas relações homoafetivas dentro das penitenciárias. As informações são da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos.

Para o secretário Cesar Rubens Monteiro de Carvalho ?a secretaria tem que se adequar às normas comportamentais de direitos hoje estabelecidas. Conforme preconiza o artigo 5º da Constituição Federal, direitos iguais para todos, e há que se fazer sem restrição, dentro do princípio de que todos são iguais perante a Lei, no gozo de seus direitos e cumprimento de seus deveres como cidadãos?.

Já o Superintende de Direitos Individuais Coletivos e Difusos da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos (SuperDir/SEAS/DH) e Coordenador do Programa Estadual Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento acredita que ?esta resolução é uma conquista especial para os detentos e detentas LGBT. Essa proposta vem sendo debatida no Conselho dos Direitos da População LGBT do Estado do Rio de Janeiro desde 2008 e sua publicação se constitui como a resolução mais avançada e completa em termos da garantia de direitos humanos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais internos nas unidades prisionais ?.

Cartilha com orientações

A resolução foi publicada no Diário Oficial de 28 de março. Para orientar os detentos (as) e companheiros (as), a SEAS/DH fará uma cartilha com orientações contendo dicas e informações de conduta para as visitas íntimas que será lançada no mês de maio. Além disso, também serão realizados encontros e seminários para capacitar agentes penitenciários sobre esse tema, com o objetivo de aplicar a nova resolução de maneira eficaz.

A solicitação da visitação deverá ser requerida mediante a emissão de um ofício, que será enviado à Direção da Unidade, onde este deverá conter a declaração de homoafetividade (assinada pelo casal e duas testemunhas). Para obter informações e consultas sobre como ter acesso a este direito, os interessado deverão entrar em contato com Disque Cidadania LGBT (0800 0234567).

Fonte: g1, www.g1.com.br