Homem de casaco verde abordou menina antes de estrupá-la; veja

Homem de casaco verde abordou menina antes de estrupá-la; veja

O homem era moreno, tinha, no máximo, 30 anos e usava um casaco verde-musgo.

Um menino de 7 anos que estava na festa com Rebeca Miranda Carvalho dos Santos, de 9 anos, encontrada morta a 100m da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, compareceu com sua família na Divisão de Homicídios (DH). Em depoimento, ele afirmou que um homem que não conhecia abordou a menina enquanto as crianças brincavam no beco. Diante da recusa de Rebeca em sair do local, o homem a puxou pelo braço até um ponto mais escuro, onde ela não podia mais ser vista, e os gritos da menina foram abafados. O homem era moreno, tinha, no máximo, 30 anos e usava um casaco verde-musgo.

Rebeca foi encontrada morta, com indícios de estupro, num terreno baldio na localidade da Cachopa, a cerca de 100 metros da sede da UPP da Rocinha. Ela brincava com outras crianças numa festa num beco da favela, quando, segundo uma testemunha relatou a agentes da DH, um homem moreno com um casaco verde passou e a arrastou à força para um terreno baldio. A menina só foi vista novamente na manhã de ontem: uma vizinha a encontrou, já morta, com o corpo enterrado sob telhas. Rebeca estava sem roupas íntimas e com marcas de agressão por todo o corpo. A DH trabalha com a possibilidade de estupro seguido de homicídio.

Maria Miranda, mãe de Rebeca, levou a menina para a festa e ficou no local até 21h30, quando saiu para um churrasco que acontecia a 100m do local. No caminho, passou pelo beco ? sem iluminação alguma ? onde a filha seria encontrada na manhã seguinte. Quando voltou para buscar a filha, às 22h30, ninguém sabia onde a menina estava. As buscas por Rebeca duraram até as 7h de ontem, quando a vizinha Maria da Penha Pereira viu as sandálias que a menina estava usando no terreno baldio. Nos fundos, ela encontrou o corpo ensanguentado num buraco, embaixo de telhas. No mesmo local, agentes da polícia encontraram um boné e um preservativo, que serão analisados pela perícia.

? A Rebeca era uma menina doce. Estava no 5º ano e sonhava em ser médica para dar uma vida melhor para mim e para a mãe dela. Sempre viveu na Rocinha. Estou arrasado ? disse o motorista de ônibus Reinaldo dos Santos, 57 anos, pai da menina.

À tarde, um menino de 7 anos que estava na festa com Rebeca compareceu com sua família na DH. Em depoimento, ele afirmou que um homem que não conhecia abordou a menina enquanto as crianças brincavam no beco. Diante da recusa de Rebeca em sair do local, o homem a puxou pelo braço até um ponto mais escuro, onde ela não podia mais ser vista, e os gritos foram abafados. Agentes da DH afirmam que, nesse momento, o criminoso teria sufocado a menina.





Fonte: Extra