Sequestrador se entrega após 15 horas de negociação no Espírito Santo

Sequestrador se entrega após 15 horas de negociação no Espírito Santo

Sequestrador se entrega após 15 horas de negociação no Espírito Santo

Após 15 horas de negociação, o sequestrador, que manteve duas pessoas reféns dentro de uma padaria em Guarapari, Espírito Santo, se entregou à polícia. O criminoso, identificado como Lucas Marcelino, foi encaminhado para o Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) do município, onde foi ouvido pelo delegado e autuado por sequestro e porte ilegal de armas. De acordo com a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp), o criminoso será encaminhado ainda na manhã deste domingo (10) para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Guarapari. 

A negociação com a polícia se iniciou às 11h de sábado e, por volta das 18h30, o sequestrador liberou o dono da padaria, Edson Batista, de 62 anos, em troca de um colete à prova de balas.  A mulher, Maria de Fátima, de 42 anos, seguia sendo mantida como refém e foi liberada por volta da 1h30 da manhã. Logo em seguida, o criminoso se rendeu.

Ao chegar no DPJ, Lucas Marcelino negou ter apontado a arma para as vítimas. "Eu não tenho nem casa, a minha pegou fogo. Eu acendi uma vela e quando voltei estava pegando fogo. Eu não queria matar ninguém (no sequestro). Eu ia assaltar um ônibus, e agora a polícia me enquadrou. Eu nem apontei a arma para os reféns, eu estava colocando na minha cabeça e falando que ia me matar, mas no final deu isso", disse.

Policiais militares e grupos do Batalhão de Missões Especiais (BME) isolaram a rua de acesso ao estabelecimento e fizeram a segurança do local. O capital Joel, da Polícia Militar, comentou sobre a negociação e das exigências do criminoso. "Não sabemos a motivação. Ele tomou as pessoas e fechou as portas. No início da ocorrência, parecia que ele estava sob efeito de drogas. O efeito está passando durante a negociação com o BME. Ele chegou a pedir armas e a presença da ex-namorada, mas os pedidos foram negados", disse.

A filha das vítimas disse que o pai é um senhor de idade e sofre de diabetes, mas que, dentro do estabelecimento, havia remédios necessários. Ao fim do sequestro, a jovem afirmou estar aliviada. "Eu estou muito feliz agora, só tenho que agradecer a Deus mesmo. Só tivemos pensamento positivo para que isso acabasse logo. Agora, vamos ter um dia dos pais abençoado", disse.

Início

De acordo com a polícia, o suspeito trocou tiros com militares durante uma perseguição. Na fuga, ele entrou dentro da padaria Pontual e fez os reféns. A Sesp informou que a perseguição ocorreu depois que a polícia recebeu a denúncia de que o homem estaria armado, em um ponto de ônibus do bairro. O capital Joel informou que o sequestrador tinha a intensão de assaltar um coletivo.

Vizinho

Um morador da região, que preferiu não se identificar, contou que a mãe e o irmão do sequestrador foram ao local na tentativa de negociar com o rapaz, mas não conseguiram.


Ainda segundo o morador, supostas fotos do suspeito baleado chegaram a ser compartilhadas em um aplicativo de celular, mas nenhum disparo foi confirmado pela polícia. "Recebi imagens de pessoas baleadas, mas era tudo boato. Não houve nenhum barulho de tiro", disse.

Fonte: G1