Sequestro Relâmpago: modalidade cresce em Teresina; veja dicas

Empresário foi vítima de sequestro relâmpago na AV. Dom Severino.

Sequestros relâmpagos. Esses são os crimes que mais crescem no país e que não fazem parte das estatísticas oficiais, por não estarem adequadamente dentro do Código Penal Brasileiro. Essas ações, que sempre são rápidas, estampam manchetes dos jornais e muitas vítimas preferem não se pronunciar, temendo possíveis represálias.

No Piauí, esta modalidade vem acontecendo com frequência. As abordagens são as mais diversas. Em estabelecimentos comerciais, como em restaurantes, as vítimas são abordadas pelos bandidos, pedindo que tirem o veículo do local por estarem atrapalhando a saída de outros carros e é nesse exato momento que são abordadas.

Sequestro Relâmpago: modalidade cresce em Teresina
Sequestro Relâmpago: modalidade cresce em Teresina

No início da tarde da última terça-feira, dia 07 de junho, um empresário foi sequestrado por dois homens armados na avenida Dom Severino, na zona Leste de Teresina. De acordo com informações da Polícia Militar, a vítima teria estacionado o veículo em uma drogaria quando foi abordado pelos criminosos.

O helicóptero da polícia militar foi acionado para ajudar nas buscas do acusado. “Eles me abordaram em uma drogaria na avenida Dom Severino, fizeram eu sacar um dinheiro para eles, como eles não sabiam dirigir,  me levaram dentro do carro para ensinar a dirigir, os dois estavam armados, eles não tinham cara de menores, fizeram muitos assaltos e eu sempre dentro do carro, cerca de cinco assaltos, em farmácias, lojas de roupas. O que importa é que agora está tudo bem”, disse a vítima.

O Coronel Wagner Torres, Comandante de Policiamento Metropolitano, explica quais são os pontos mais propícios para este tipo de ação.

“Os pontos mais críticos são agências bancárias, casas lotéricas, farmácias e padarias. Quando você estiver sacando dinheiro, não vá contar no meio das pessoas. Quando for se deslocar para o veículo, olhe para os lados e veja se não há ninguém lhe seguindo, pois geralmente há o 'olheiro' [ informante] que observa e liga para os elementos que estão lá fora, prontos para inciciar perseguição. Esse tipo de ação geralmente é feita por dois homens em uma moto, de capacete. Então, se por acaso perceber algo do tipo, ligue imediatamente para o número 190”, afirmou.


Fonte: Portal Meio Norte