Número de casos de extorsão por ex-companheiros aumenta, veja

Número de casos de extorsão por ex-companheiros aumenta, veja

Delegados, promotores e advogados afirmam que esse tipo de prática tem se tornado mais frequente desde o ano passado.

No final de janeiro deste ano, X., de 37 anos, começou um relacionamento amoroso com um homem que conhecia apenas como Alex. Em três meses, os prazerosos encontros viraram motivo de tormenta: o rapaz, que ela descobriu se chamar Alessandro de Morais Rocha, de 39 anos, passou a lhe extorquir, ameaçando divulgar imagens dos dois fazendo sexo. O caso de X. reflete uma nova realidade dentro dos casos chamados de ?porn revenge?: após o fim do relacionamento, mulheres são ameaçadas pelos ex-companheiros não apenas para expor a intimidade delas, mas ainda para tentar lucrar com isso.

Delegados, promotores e advogados afirmam que esse tipo de prática tem se tornado mais frequente desde o ano passado. Por ser ainda algo muito novo, não há dados sobre o crescimento do número de casos. Para a promotora Lucia Iloízio, coordenadora do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Violência Doméstica Contra a Mulher, esse crescimento está ligado ao acesso, cada vez maior, à internet e também às redes sociais.

? Quem tem más intenções de cometer esse tipo de crime percebe o poder devastador que tem divulgar qualquer coisa nas redes sociais, e isso acaba incentivando esse tipo de ação. Ainda estamos acompanhando o início desse tipo de prática e temos que ver como se comportará ? avalia a promotora.

Para o advogado David Rechulski, especialista em crimes praticados via internet, o aumento dos casos como o de X. são resultado ainda de uma crença de que os crimes cometidos pela internet ficam sem punição.

? É um delito gravíssimo, porque caracteriza uma extorsão, mas as pessoas têm uma sensação de impunidade muito grande diante do teclado. Acham que não serão descobertos, mas isso é um mito. Os crimes virtuais deixam muitos vestígios e não ficam mais impunes ? opina.

Adolescentes divulgam relações na rede

A delegada Cristiana Onorato Miguel Bento, de Delegacia de Atendimento à Mulher (DEAM) de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, revela ainda que tem ocorrido com frequência outro tipo de caso na unidade: o de garotos adolescentes que divulgam, na internet, fotografias e vídeos de suas relações sexuais.

? Percebo que é mesmo por um desconhecimento desses meninos de que se trata de um ato infracional. Eles não têm essa noção e postam nas redes sociais. Esses casos têm sido muito comuns aqui. Vale o alerta para que os pais possam orientar seus filhos. Quem faz isso se enquadra no artigo 241 do Estatuto da Criança e do Adolescente (expor fotografia com cenas de sexo envolvendo criança ou adolescente) ? comenta.

O advogado David Rechulski ressalta que as pessoas não percebem que na internet estão o tempo todo expostas e, por isso, precisam agir sempre com cautela.

? Como andamos dentro de nosso carro numa rua escura, num horário perigoso? Sempre com o vidro fechado. Na internet, temos que estar sempre com o vidros fechados. Num relacionamento virtual, as pessoas se expõem muito e acabam exibindo seus corpos. É preciso saber que há consequências para essa exposição.

Para o advogado, quem tem intenção de cometer um crime é incentivado pela facilidade que as redes sociais proporcionam:

? Uma fotografia pode cair nas mãos de 50 milhões de pessoas em pouco tempo.

Além de extorsão, quem comete esse tipo de crime pode responder ainda por injúria, difamação, dependendo do caso.

? As mulheres precisam estar atentas a essa nova realidade trazida por esse mundo conectado. Ao mesmo tempo que as redes sociais facilitam os relacionamentos, elas também abrem margem para que sejam vítimas de ex-companheiros frustrados ? alerta a promotora Lúcia Iloízio.

Caso recente

No último dia 5, Alessandro de Morais Rocha, acusado de extorquir dinheiro de X., foi preso pela 15ª DP (Gávea).

Exposição e risco

O advogado David Rechulski alerta para o fato de, em um relacionamento pela internet, muitas vezes a pessoa não conhecer muito bem o parceiro: ?Você não conhece o passado da pessoa e vai se expor para ela? É uma postura de leviandade que facilita que algo de ruim aconteça?, observa.

Como denunciar

As mulheres que forem vítimas de chantagem por parte dos ex-companheiros podem fazer registro em qualquer delegacia, e não apenas as especializadas.

Fonte: Extra