Sobrevivente diz que foi agredida por segurança da boate Kiss

Sobrevivente diz que foi agredida por segurança da boate Kiss

Estudante de direito diz ter sido pega por segurança após tentar sair durante incêndio.

A estudante de Direito Gabriela Machado de Borba, 19 anos, uma das sobreviventes da tragédia da boate Kiss, ocorrida no último domingo (27), em Santa Maria (RS), acusou seguranças da boate de agressão.

Na última segunda-feira (28), Gabriela foi à 1ª Delegacia de Polícia da cidade para contar o que ocorreu dentro da casa noturna. O braço, onde ela afirma ter sido segurada pelo segurança, ficou roxo. A estudante acredita que o segurança queria que ela mostrasse a comanda, provando que tinha pago a conta.

? O irônico de tudo isso, é que seu só bebi uma água mineral. Ele não pediu explicitamente a comanda, mas tenho certeza de que era isso que ele queria.

Gabriela diz que foi pega pelo segurança pouco antes de chegar à porta da boate. Gabriela lembra que estava próxima à porta de saída. Um pouco mais atrás, estava o namorado da estudante, Luiz Eduardo Viegas flores, de 24 anos, oficial escrevente do foro de Três Passos (cidade próxima a Santa Maria). Ele foi um dos 235 mortos. Ela contou que fumaça começou de repente, gerando correria e pânico na boate. Com as chamas já altas, Gabriela correu e se perdeu do namorado.

? Corri muito e consegui passar por uma abertura mínima, que separava o salão da porta de saída. Até agora, não sei como consegui fazer isso.

Na rua, não encontrou mais o namorado. Mais tarde ficou sabendo que ele havia morrido. Com lágrimas nos olhos, lembrou que o namoro já durava dois anos e que o casal já fazia planos de ficar noivo.

? Ele era tão branquinho, mas muito bonito. Não sei o que vou fazer agora, os planos que tínhamos acabou de uma hora para outra. Acompanhada pelo pai, o policial militar aposentado Wanderlei Oliveira Borba, se emocionou ao lembrar os momentos de terror por que passou no local.

Fonte: R7, www.r7.com