Somente um envolvido em estupro coletivo deve ir a júri popular

Duas mulheres foram mortas e seis foram estupradas ne cidade de Queimadas.

Dos dez acusados de envolvimento no estupro coletivo, que resultou na morte de duas mulheres na cidade de Queimadas (PB), somente um deve ir a júri popular. Eduardo dos Santos foi apontado como mandante dos abusos e autor dos disparos que mataram as vítimas.

Em conversa com o R7, o promotor do caso, Márcio Teixeira, disse que o processo está em fase final e que há 99% de chance de Santos ir a júri popular.

? Vamos pedir a condenação de todos os envolvidos, mas somente o Eduardo deve ir a júri popular. Ele foi apontado por seis outros acusados como o mandante da ação e temos provas suficientes de que ele matou as duas mulheres.

O Ministério Público deve apresentar as alegações finais do processo em 15 dias. Mesmo com as provas técnicas e os testemunhos, a Justiça pediu novas investigações porque Santos disse, em depoimento, que foi vítima de um grupo de extermínio supostamente chefiado por um irmão do prefeito de Queimadas. Uma possível ligação com esses novos nomes será investigada.

Três menores envolvidos devem cumprir medida socioeducativa. Seis acusados respondem por estupro, cárcere privado e formação de quadrilha. Eduardo dos Santos responde por todos esses crimes mais o de porte ilegal de armas e duplo homicídio.

Os sete acusados foram ouvidos em audiência na segunda-feira (18), além de 12 testemunhas. Uma primeira audiência do caso ocorreu no dia 4 de junho, quando os menores envolvidos e as vítimas de estupro sobreviventes prestaram depoimento.

O crime

Segundo a polícia, a festa que terminou em seis estupros e duas mortes teria sido organizada por dois irmãos. Entre os convidados da dupla, estava um grupo de amigos, que foi chamado já com o objetivo de ajudar a abusar das mulheres.

O grupo chegou ao local na noite de 11 de fevereiro. Encapuzados, eles colocaram os homens que estavam na festa em um quarto, e as mulheres em outro. Depois de abusar das mulheres, eles fugiram levando duas delas, que foram achadas mortas em ruas próximas ao local.

MP denuncia envolvidos em estupro

Uma recepcionista, de 24 anos, foi morta com quatro tiros ao tentar fugir do veículo em que ela foi levada da festa. O corpo de uma professora, de 28 anos, foi encontrado próximo ao local amarrado e sem roupa.

Foi encontrado sêmen nos corpos das vítimas e pele nas unhas delas. Segundo a polícia, os irmãos suspeitos de organizar a noite de terror possuem carros importados e um patrimônio que não são compatíveis com o trabalho que eles realizam.

Fonte: r7