Suspeita de matar jovem diz  que namorado fez tudo sozinho; veja

Suspeita de matar jovem diz que namorado fez tudo sozinho; veja

Jéssica Taís Ferreira foi presa depois de ficar mais de um ano escondida no Paraguai

A mulher suspeita de participar da morte e esquartejamento de uma adolescente em 2012, em Bragança Paulista, no interior do Estado, contou a polícia que foi o namorado que cometeu o crime. O caso ficou conhecido com "crime da mala". Jéssica Taís Ferreira foi presa depois de ficar mais de um ano escondida no Paraguai.

Na delegacia, ela confirmou que estava no bar onde o crime aconteceu junto com o namorado Marcelo Pires Woitte. No entanto, ela nega que participou da morte e do esquartejamento de Renata Silva Monteiro, de 15 anos.

? Doutor, eu errei de ter levado a criança sim. Mas eu não tenho nada a ver [com o crime].

Segundo Jéssica, ela estava dentro do banheiro do bar quando a adolescente foi assassinada.

? Eu escutei um barulho lá fora e eu perguntei o que era. O Marcelo veio gritando da cozinha que tinha resolvido e eu perguntei pra ele como ele tinha resolvido. E ele falou assim: "Agora a gente já tem um filho".

A suspeita viajou, no mesmo dia do crime, para Natal, no Rio Grande do Norte, com o filho recém-nascido de Renata. Segundo a polícia, ela falsificou a certidão de nascimento do bebê para conseguir embarcar. Na época, o pai de Renata foi à Natal e resgatou o neto, mas Jéssica foi liberada pela polícia de lá, que disse não ter provas contra ela. Dias depois, em Bragança Paulista, uma mala foi encontrada em um lago. Dentro dela, estava o corpo esquartejado da adolescente.

Marcelo Pires Woitte foi preso quarta-feira passada (18) no Paraguai. Ele trabalhava descarregando caminhões e foi encontrado por meio de uma denúncia. Quando veio para São Paulo, no fim de semana, ele disse que estava separado de Jéssica e não sabia o paradeiro dela. A polícia já pediu à Justiça a prisão preventiva do casal. Eles vão responder por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. A dupla pode pegar de 12 a 30 anos de prisão.

Fonte: r7