"Suspeita premeditou o crime", diz tia de jovem morta após ser queimada

Estudante e namorado foram atacados; suspeita teria ciúmes do casal. Com mais de 50% do corpo atingido, vítima morreu na quarta-feira (30).

Familiares de Mikaelly Moreira Nunes, de 23 anos, morta após ter o corpo queimado em Caldazinha, a 22 quilômetros de Goiânia, dizem que o atentado foi planejado. A suspeita do crime, uma jovem de 20 anos, teria interesse no namorado da vítima, que também foi atingido, e inveja do casal. "Ela [a suspeita] premeditou esse crime", disse a tia da garota, Fátima da Silva.



A polícia também vê indícios de premeditação no crime, que aconteceu no último sábado (26) em uma chácara da família da jovem. Mikaelly teve mais de 50% do corpo queimado, incluindo pescoço e face. A estudante não resistiu aos ferimentos e morreu na tarde de quarta-feira (30), no Hospital Geral de Goiânia (HGG).

O namorado, de 33 anos, está internado no Hospital de Queimaduras de Goiânia e o estado de saúde dele é estável.

Revoltada, a tia pede Justiça. "Ela foi lá com a intenção de matar essa menina, uma moça que só vivia sorrindo e não fazia mal nem a uma formiga", desabafa.

Cunhado de Mikaelly, Júnio Macedo Santos também acredita que a jovem tenha premeditado o ataque. Ele conta que ela chegou à chácara com uma mochila. Dentro, ela teria levado um litro de álcool, um fósforo e uma vasilha de sorvete vazia. "Ela foi até a sala e disse ao namorado da Mikaelly que ele tinha cinco minutos para tirar ela de lá. Em seguida, foi até o quarto, colocou o álcool na vasilha de sorvete e, em seguida, com o fósforo na mão, jogou o álcool e ateou fogo no casal", relatou o parente por e-mail.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Senador Canedo, responsável pela região de Caldazinha. O delegado Thiago de Castro Teixeira disse haver indícios de premeditação: "Ao que tudo indica, ela planejou esse crime em detalhes".

"Ela ligou para o namorado, filho do dono da chácara e primo da Mikaelly, perguntou quem estava no local e pediu para ele ir buscá-la", afirma Thiago. Segundo o delegado, o rapaz havia respondido que a vítima, de quem a suspeita não gostava, estava lá.

Ferida

Após a morte da vítima, o advogado da suspeita procurou a polícia e disse que ela também se queimou e teve de passar por cirurgia. De acordo com ele, a suspeita disse aos seus familiares que cometeu o crime para se defender. ?Ela contou que teria sido agredido por Mikaelly e revidou?, relatou o delegado.

Thiago de Castro espera ouvir a jovem para indiciá-la por homicídio e tentativa de homicídio. "O advogado falou que trará o atestado médico e, assim que ela tiver alta, vai se apresentar", adiantou.

Fonte: G1