Suspeito de esconder corpo em mala é preso

Suspeito de esconder corpo em mala é preso

Corpo Íris Bezerra de Freitas foi encontrado num canal no Leblon. Ex- marido estava foragido e foi preso em Pernambuco.

A Divisão de Homicídios informou na noite desta terça-feira (18) que prendeu Rafael da Silva Lima, ex-marido de Íris Bezerra de Freitas, de 21 anos, que foi encontrada morta dentro de uma mala no canal do Leblon, na Zona Sul do Rio. Rafael é o principal suspeito do crime.

O suspeito foi preso em Pernambuco e está a caminho do Rio para prestar esclarecimentos.

Imagens mostram suspeito no dia do crime

Imagens de câmeras de um prédio no Leblon mostram que, por volta das 6h30 de sábado (8), um homem caminha em direção à Avenida Visconde de Albuquerque, carregando uma mala preta. Horas depois, o corpo foi encontrado no canal, dentro de uma mala, a poucos metros da praia.

Íris Bezerra Freitas, que aparece em fotos com Rafael, foi morta a facadas. Segundo a polícia, os dois já não viviam mais juntos há um mês: ?Ele já estaria insatisfeito com esse rompimento, então planejou tudo e executou a vitima?, disse o delegado Felipe Ettore.

Atualmente Rafael estava sem emprego. Íris trabalhava como operadora de caixa numa loja em Ipanema, na Zona Sul do Rio. Colegas afirmam que o relacionamento dos dois não era bom: ?De uns tempos para cá, ela andava com medo, porque ele andava espiando ela. Ele roubou os documentos dela. Para a gente foi um baque?, contou uma amiga da vítima.

Crime pode ter sido premeditado

Segundo o delegado Felipe Ettore, é provável que a morte de Íris tenha sido premeditada. ?Os indícios secundários, como a bolsa e a saída do filho do casal do estado antes do crime, apontam premeditação?, detalhou.

Ainda de acordo com o delegado, um dia antes de o corpo ser encontrado, uma amiga havia registrado o desaparecimento da jovem na 14ª DP (Leblon).

?O motivo do crime seria por questões de ciúme, uma vez que as testemunhas relataram constantes discussões de Rafael com a Íris?, disse o delegado Celso Gustavo Castelo Ribeiro, também da Divisão de Homicídios.

Fonte: g1, www.g1.com.br