Suspeito de estupro não mostrou arrependimento, confirma DHPP

Suspeito de estupro não mostrou arrependimento, confirma DHPP

O criminoso, que é porteiro, confessou o crime e disse que agiu sozinho

O suspeito de ter estuprado, torturado e assassinado uma menina de oito anos, Andreus Vieira Batista, de 34 anos, não mostrou arrependimento ao confessar o crime para polícia. A informação foi passada, nesta sexta-feira (17), pelo delegado divisionário do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção á Pessoa), Itagiba Franco.

A crueldade foi tão grande que o criminoso chegou a desfigurar o rosto da menina com um alicate e também teria usado uma chave de roda para matar a garota. O homem conhecia a criança e a família dela. Para Franco, um crime ?asqueroso?.

? Não se sabe com um ser humano é capaz de agir dessa forma, principalmente contra uma criança de oito anos. Isso nos choca.

Batista foi preso na manhã desta sexta-feira (17) na rua Gonçalves Minas, na Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo. Ele estava na casa da irmã, que teria avisado a polícia. O suspeito, que é porteiro, disse que agiu sozinho.

Celular

A polícia também apreendeu o celular do porteiro. Existe a suspeita de que ele teria uma foto da vítima no aparelho. O telefone móvel passará por perícia.

As investigações apontaram que a menina estava brincando de esconde-esconde e, durante a brincadeira, foi até a garagem onde o suspeito guardava o carro. No local, ela foi abusada sexualmente dentro do veículo e torturada. O corpo da criança foi achado algum tempo depois em um terreno baldio a 5 km do local do crime.

O dono da casa onde o criminoso guardava o veículo chegou a ser preso pela polícia, mas foi liberado. Porém, segundo o delegado, a sua possível participação no crime não foi descartada. A residência foi atacada por vizinhos nesta sexta-feira (17). Os populares colocaram fogo no local.

O crime

Angélica Barbosa Romasco, de oito anos, desapareceu na noite de quarta-feira (15), enquanto brincava, na frente de casa, no bairro Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo. O corpo da criança foi encontrado com diversas perfurações, a maioria delas na cabeça, hematomas e havia sinais de violência sexual. Um cordão foi amarrado nos braços e no pescoço dela.

Vizinhos e parentes suspeitaram do porteiro Andreus Vieira Batista, de 34 anos, e avisaram a polícia. Ele chegou a desaparecer logo após o crime, mas foi encontrado pela polícia. No carro dele, havia manchas de sangue nos bancos, um rolo de barbante e uma calcinha infantil, que a mãe de Angélica reconheceu ser da filha.

O corpo da menina foi enterrado na manhã desta sexta-feira (17), no Cemitério Municipal de Itaquera, na Vila Carmosina, zona leste da capital paulista.

Fonte: r7