Suspeito de linchamento declarou ter tentado proteger vítima: "Contraditório"

Jair Batista dos Santos, de 35 anos, é o quarto suspeito preso

A Polícia Civil de Guarujá, no litoral de São Paulo, divulgou nesta sexta-feira (9) novas informações sobre o quarto preso suspeito de ter participado do linchamento da dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, no dia 3 de maio. O delegado Luiz Ricardo Lara, responsável pelo caso, disse em entrevista coletiva que ele afirmou ter agido para tentar ajudar a vítima. O suspeito, identificado como o ajudante de pedreiro Jair Batista dos Santos, de 35 anos, aparece em um vídeo do linchamento empurrando a dona de casa para dentro de uma vala momentos antes dela ser atingida na cabeça com um pedaço de madeira.

Fabiane morreu na segunda-feira (5), após ficar dois dias internada no Hospital Santo Amaro. Fabiane foi atacada por uma multidão depois da publicação de um retrato falado em uma página no Facebook de uma mulher que realizava rituais de magia negra com crianças sequestradas.

Jair compareceu espontaneamente no começo da tarde desta sexta-feira no 1° Distrito Policial (DP) de Guarujá. ?Ele se apresentou junto com seu advogado e disse ter participado da ação, entretanto, afirmou que agiu na tentativa de preservar a integridade física da vítima. Essa versão, porém, contradiz o que a polícia apurou até o momento e as imagens das agressões?, diz o delegado.

De acordo com Lara, a polícia possui dezenas de vídeos do linchamento e acredita que até oito pessoas tenham participado da ação. ?Até o momento, cinco foram identificados, mas continuamos investigando e contamos com a ajuda da população para reconhecer novos suspeitos de agredir a dona de casa?, afirma.

Até o momento, a polícia não cogita fazer uma reconstituição do crime. ?Se, durante as investigações, for necessário fazer uma reconstituição dos fatos para ajudar a elucidar algum ponto, então iremos fazê-lo, mas até o momento não é algo que cogitamos?, conclui.

5° suspeito

A foto e o nome do último suspeito identificado até o momento pela Polícia Civil de Guarujá foram divulgados pelo delegado responsável pelo caso na noite desta sexta-feira. Abel Vieira Batalha Junior, de 18 anos, teve a prisão temporária decretada e já é considerado foragido. A polícia não sabe se ele ainda está na cidade onde a agressão ocorreu, mas acredita que não tenha deixado a região da Baixada Santista. A mãe do suspeito foi ouvida e uma bermuda do rapaz foi recolhida para auxiliar nas investigações.

Quem são os outros presos

Os outros três suspeitos presos são Lucas Rogério Fabrício Lopes, de 19 anos, Valmir Barbosa, de 48, e Carlos Alex Oliveira de Jesus, de 23. Segundo a polícia, os três confessaram participação no linchamento da dona de casa.

Oliveira de Jesus foi preso na tarde de quinta-feira (8). Ele aparece em um vídeo segurando a vítima pelos cabelos. Ele disse que não chegou a golpear Fabiane, já que foi segurado por duas primas.

Lopes foi preso na madrugada de quinta-feira, após denúncia anônima recebida pela Polícia Militar. O rapaz é suspeito de ter passado por cima da dona de casa com uma bicicleta. Ele passou a madrugada na Delegacia Sede de Guarujá. Em depoimento à polícia, se disse arrependido. "Peço desculpas à família, estou muito arrependido. Desculpa mesmo. A gente vê a nossa mãe em casa, nossa tia, e imagina que poderia ter sido com elas. O que pesa mesmo é a consciência", afirmou.

Barbosa foi detido na terça-feira (6) no bairro Morrinhos, a mesma região onde a vítima vivia e foi atacada. Segundo a polícia, Barbosa foi reconhecido após as imagens do linchamento terem sido entregues à polícia. Ele alegou que tem filhos e que participou da ação por acreditar que as acusações à vítima ? de que ela sequestrava crianças para rituais de magia negra ? fossem verdadeiras. "Aconteceu e aconteceu. Não posso fazer mais nada", disse o suspeito.

O dono da página Guarujá Alerta, que divulgou o boato que levou ao espancamento e à morte de Fabiane, prestou depoimento na terça-feira (6). Segundo o advogado Diego Scarpa, seu cliente está sendo muito ameaçado. "São ataques injustos, estão atacado ele de forma injusta. Em momento algum, será comprovado que meu cliente postou ou incitou a população", defendeu.

Enterro

Centenas de pessoas acompanharam, na manhã de terça-feira, o enterro de Fabiane, que deixou marido e dois filhos ? um de 12 anos e outro de 1 ano. A cerimônia, no Cemitério Jardim da Paz, em Morrinhos, reuniu familiares e amigos, que não se conformam com a crueldade do crime.

O marido de Fabiane, Jaílson Alves das Neves, disse que não sente ódio dos suspeitos. ?Para mim, a ficha não caiu. Apesar da brutalidade, não guardo ódio, não guardo esse sentimento ruim no coração. Espero que não aconteça com mais famílias. Essas pessoas que a agrediram e as que assistiram e não tiveram a coragem de salvar uma pessoa inocente não deram nem tempo de defesa para minha esposa. Quero que eles reflitam e que isso não aconteça nunca com a família deles?, explica.

Confusão

De acordo com o inquérito, o retrato falado atribuído a Fabiane havia sido feito por policiais do Rio de Janeiro, da 21ª DP (Bonsucesso), em agosto de 2012. Na ocasião, uma mulher foi acusada de tentar roubar um bebê do colo da mãe em uma rua de Ramos, na Zona Norte da cidade.

Imagens de câmeras de segurança divulgadas na época mostraram uma mulher passando com a filha de 15 dias no colo e sendo seguida pela suspeita. A vítima estava levando o bebê para fazer o teste do pezinho em um posto de saúde. Ao sair da unidade, foi surpreendida pela sequestradora.

Fonte: G1