Suspeito de matar jovem em lava a jato por pressa diz que tiro foi acidental

Cliente apressado exigiu ser atendido antes dos demais


Suspeito de matar jovem em lava a jato por pressa diz que tiro foi acidental

Policiais da Divisão de Homicídios (DH) prenderam Anderson Vinícius Fonseca, de 22 anos, apontado como assassino do jovem Nathan Dantas Borges, de 16 anos, em um lava a jato em Rocha Miranda, no subúrbio do Rio. O crime ocorreu na noite de sábado (4).

A DH identificou o criminoso e pediu a prisão dele à Justiça. Agentes da delegacia realizaram diversas diligências para capturar Anderson. Segundo a assessoria da Polícia Civil, ele se apresentou na delegacia na noite de quinta-feira (9).

Nathan foi baleado no rosto, na porta da casa onde morava com os pais e dois irmãos. Como sempre fazia nos fins de semana, Nathan lavava carros para reforçar a mesada. Testemunhas contam que um cliente surgiu apressado e exigiu ser atendido antes dos demais. Irritado com a recusa, ele sacou a arma e atirou.

Nathan foi levado para o Hospital Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense, e chegou a ser operado.

Suspeito diz que tiro foi acidental

Segundo Anderson, a vítima era amigo dele e o tiro foi acidental. ?Já joguei a arma fora. Só tenho a dizer que ele é meu amigo e lavava o carro com ele todos os sábados. Foi acidentalmente?, declarou o suspeito, que está preso na DH.

De acordo com o delegado adjunto da Divisão de Homicídios, Henrique Damasceno, a arma que Anderson utilizou para matar Nathan era de um serviço de segurança informal que ele fazia em Rocha Miranda.

?Ele já foi um militar, portanto, tem conhecimento sobre armamento. Ele não tinha razão alguma para estar com uma arma carregada e muito menos de apontá-la para o rosto de alguém. Agora o inquérito será relatado, enviado ao Ministério Público (MP) e o juiz vai decidir ou não pela permanência da prisão dele.?

Ainda de acordo com o delegado, Anderson, irá responder por homicídio e porte ilegal de arma, podendo pegar até 28 anos de prisão.

Fonte: G1