Suspeitos de negociar com atirador são indiciados por comércio ilegal de arma; receberam R$ 30 cada um

Suspeitos de negociar com atirador são indiciados por comércio ilegal de arma; receberam R$ 30 cada um

Eles afirmaram que ao saber que a arma calibre 32 tinha sido usada para o ataque à escola se arrependeram.

Os dois suspeitos de negociar uma das armas usadas pelo atirador Wellington Menezes de Oliveira foram indiciados por comércio ilegal de arma de fogo e a pena pode chegar a 8 anos, informou o delegado da Divisão de Homicídios, Felipe Ettore, neste sábado (9).

O chaveiro Charleston Souza de Lucena, de 38 anos, e o vigia Izaías de Souza, de 48 anos, tiveram a prisão preventiva decretada na madrugada deste sábado.

Os dois afirmaram que ao saber que a arma calibre 32 tinha sido usada para o ataque à escola se arrependeram.

"Se eu soubesse que era para fazer isso, jamais teria feito o que eu fiz. Agora, infelizmente vou ter que pagar ", disse Izaías.

Ele contou também que quando viu a notícia do ataque chorou. Izaías afirma que uma filha e uma enteada estudam em uma escola em Sepetiba e chegou a pensar nas duas. ?Imagina se fosse no colégio onde elas estudam??, indagou. Em seguida, falou que espera que a Justiça seja feita. ?Espero que a Justiça faça o que tenha que fazer. Eu acho que tenho parte da culpa, mas culpa diretamente pelo assassinato eu não tenho?, disse ele.

Segundo Charleston, o atirador teria dito que a arma seria para segurança própria dele. De acordo com a polícia, os dois têm antecedentes criminais. Charleston,por crimes de agressão, ameaça, desacato, denunciação caluniosa e, pelo código de trânsito, por dirigir sem habilitação. Izaías já foi autuado por uso de documento falso e ameaça.

Izaías tem 6 filhos e 4 enteados e Charleston tem três filhos.

Os dois já deixaram a delegacia e foram levados para fazer exame de corpo de delito. Depois, eles serão levados para o Presídio Ary Franco, em Água Santa, no subúrbio do Rio.

Eles disseram à polícia que a arma foi vendida por R$ 260 e os dois receberam R$ 30, cada. A polícia agora busca o dono da arma, que teria ficado com R$ 200. Mas segundo as primeiras informações, ele teria sido assassinado no carnaval deste ano.

Segundo a polícia, eles também venderam cinco munições a Wellington. Os dois foram presos em Sepetiba, na sexta-feira (8), por policiais militares do 21º BPM (São João de Meriti). Os agentes chegaram ao chaveiro Charleston através de uma denúncia anônima, na Estrada do Piaí, no quiosque onde o suspeito trabalha.

Como foi

O chaveiro foi à delegacia com os policiais, confessou a negociação da arma com Wellington e apontou mais uma pessoa envolvida, o vigia Izaías. O segundo suspeito foi preso em casa, na Travessa Fonseca. Inicialmente, Izaías negou o envolvimento. Já na DH, os dois admitiram a participação na venda e apontaram uma terceira pessoa, que seria o dono da arma, o revólver calibre 32.

De acordo com o comandante do 21º BPM (São João de Meriti), Ricardo Arlem, as negociações para a compra da arma teriam começado há cerca de quatro meses.

Segundo a polícia, Wellington contratou o serviço do chaveiro Charleston quando foi morar sozinho, em Sepetiba. Ele teria afirmado que queria uma arma porque iria morar sozinho, para a segurança dele. Charleston, então, teria entrado em contato com Izaías, que conhecia o dono da arma.

"Sheik"

Segundo a PM, o chaveiro revelou que Wellington era conhecido na região onde morava em Sepetiba, na Zona Oeste do Rio, pelo apelido de "Sheik", devido à barba longa que cultivou até dias antes do crime. Na carta que deixou na escola, Wellington não deu indicações de que seria muçulmano (leia carta na íntegra).

?Nós descobrimos esses dois homens porque um PM à paisana ouviu o vendedor comentar ao chaveiro, tá vendo aquela arma que te vendi, tá vendo como ela tava afiadinha?, olha o estrago que ela fez?, reproduziu o comandante.

O comandante contou ainda que os homens negaram vender as munições utilizadas por Wellington. A Divisão de Homicídios, que investiga o caso, tenta esclarecer se os dois homens têm realmente ligação com a venda do armamento.

11 vítimas sepultadas e uma criança cremada

A menina Ana Carolina Pacheco da Silva, de 13 anos, vitima do ataque a escola em Realengo, foi cremada no cemitério do Caju, na Zona Portuária do Rio, na manhã deste sábado (9), sob forte emoção da família, que durante toda a madrugada velou o corpo da adolescente.

Os corpos de 11 crianças foram enterrados na sexta-feira.

Apenas o corpo do atirador Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, ainda está no Instituto Médico Legal (IML). Segundo o IML, após dez dias, o rapaz será enterrado como "corpo não reclamado".

Fonte: g1, www.g1.com.br