Teresinenses estão reagindo mais a assaltos, diz polícia

Teresinenses estão reagindo mais a assaltos, diz polícia

Uma enquete, feita durante o programa, ouviu a opinião popular sobre a reação da população nos assaltos

O programa Agora, da Rede Meio Norte, reuniu na tarde desta quarta-feira, 18, debatedores para discutirem sobre o ato de fazer justiça com as próprias mãos. Dentre eles, o diretor jurídico do Sindicato dos Policiais do Piauí (SINPOLPI), Constantino Júnior; o presidente da Comissão de Segurança Pública da Ordem dos Advogados do Brasil, Lúcio Tadeu; e o especialista em Segurança Pública, Arnaldo Eugênio.

Vários casos foram mencionados durante o debate, a exemplo da tentativa arriscada de conseguir os seus pertences roubados onde a professora Mayara Machado terminou por atropelar o assaltante Rafael Costa na última segunda-feira, 16, após persegui-lo por sete quilômetros.

Em alguns casos, comprova a polícia, que é cada vez maior o número de teresinenses que reagem aos assaltos e chegam a matar os bandidos.

ENQUETE

Uma enquete, feita pelo programa, trouxe a opinião de moradores da capital sobre o assunto. ?A gente espera pela polícia e ela não está dando conta, prende hoje e solta amanhã, o resultado é esse!?, desabafa uma das entrevistadas. ?A minha opinião é nunca reagir porque a vida da gente é muito preciosa, depois você recompensa de novo?, diz uma dona de casa. ?Os homens que mandam nas leis não querem nem saber disso, eles querem é ganhar dinheiro. É por isso que a população está revoltada. Por exemplo, o cara que matou o mototaxista foi preso e no outro dia foi solto, a população fica revoltada!?, disse um bacharel em direito. ?São perigosos, mas antes eles que a gente. Eles matam a gente e não tem coisa nenhuma?, desabafa um morador da capital.

Segundo o representante da OAB, Lúcio Tadeu, o aumento da incidência é uma repulsa em razão da ausência do Estado. ?Quando o Estado falha, entra o crime, entra a violência e entra a revolta popular?. Ele assegura que se trata de uma situação não recomendável, pois o perigo que se corre em situação de assalto é muito grande. ?A violência está generalizada e os assaltantes estão cada vez mais violentos?.

?O grau de incidência da prática de delinquência é muito grande porque os policiais prendem e levam para a central e, pelo número muito grande de processos judiciais, não cumprem o prazo legal e os juízes são obrigados a colocá-los em liberdade?, explica Constantino Júnior.

Arnaldo Eugênio afirma que o Estado brasileiro é incompetente há mais de cem anos para realizar a segurança pública na forma como ele é estruturado. ?Criou-se uma ideia de que o policial tem um inimigo a combater chamado bandido, o que criou essa guerra do bom moço e do mau moço e, nessa guerra, a estrutura do judiciário não acompanha para dar suporte?, encerra.

Fonte: Denison Duarte